Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 26
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
10/05/2011 05h19

Demanda & produção de petróleo:
uma necessidade de gestão

Introdução

Atualmente a produção mundial de petróleo tem se estabilizado em 88 milhões de barris por dia e está difícil o incremento deste volume produzido, o que pode caracterizar que estamos vivenciando uma etapa de transição no mundo da energia, especialmente o da disponibilidade do petróleo, ou seja, a humanidade está próximo do pico de produção com o de oferta. Há quem afirme que este pico será alcançado entre 2012 e 2020, época em que as reservas mundiais de petróleo devem ser consumidas em mais de 50%.
Então, é importante reconhecer este fato e se preparar para uma nova etapa de gestão da energia fóssil, seja qual for o planejamento energético, uma vez que a demanda quando superar a oferta teremos, com certeza, alta permanente no preço e a possibilidade de inflação e carência de produtos e serviços.
Praticamente toda atividade humana está ligada ao petróleo, desde os transportes, as indústrias, parte da geração de energia elétrica, até a produção de alimentos.
Nos Estados Unidos são necessárias 10 calorias de combustível para produzir uma caloria de alimento. Os derivados do petróleo permitiram o desenvolvimento de equipamentos cirúrgicos, drogas farmacêuticas, plásticos, aviões, automóveis e a automatização dos plantios. Podese esperar um profundo colapso econômico, o desencadear de guerras pela busca de mais petróleo e a proliferação da fome pelo mundo, pela falta de alimentos, em função do crescimento acelerado da população mundial. Esperase que em 2025 cerca de 8 bilhões de pessoas estejam habitando o planeta, fato que demandará um consumo de energia hoje indisponível.
Há indícios que já estamos na transição entre a oferta e a demanda do petróleo e inúmeros sinais estão sendo dados, pois os preços já estão na faixa de US$ 78,00 / US$ 98,00 o barril.
O mundo está caminhando para uma etapa de planejamento do uso da energia, que necessita envolver um conjunto de ações, a saber:

a) REDUZIR O DESPERDÍCIO - as habituais perdas e desperdícios que flutuam de 10 a 30% deverão ser cortados, com o objetivo de impactar a mente do consumidor, pois se nada for feito, o homem não se utiliza do pensamento lateral e por via de conseqüência, não ativa as alternativas energéticas
ou novas formas de se lidar com estes desafios;

b) REUTILIZAR - recauchutar pneus, reciclar plásticos, reutilizar a água, atuar fortemente em plantio de árvores, são velhas soluções que
necessitarão de uma nova forma de pensar. Os problemas ambientais causados pela energia fóssil são devastadores;

c) RECICLAR - reciclar resíduos domésticos e industriais deverão ser obrigatórios;

d) RECOMPENSAR - toda ação para reduzir, reutilizar e reciclar deverá ser incentivada.

Um dado importante neste contexto está no fato de que a economia americana depende do petróleo importado, cerca de dois terços do mineral utilizado vem de fora de suas fronteiras. Vale o registro de que os Estados Unidos
representam hoje cerca de 30% do consumo mundial de petróleo e que 65% das reservas do mundo estão no Oriente Médio, onde o Iraque é o segundo maior país em reservas de petróleo, com capacidade de processar de 4 a 6 milhões de barris/dia.
Agrega-se uma questão de natureza estratégica: cerca de um terço do petróleo consumido pelo mundo passa pelo Golfo Pérsico, especialmente no estreito de Hormuz, e qualquer obstrução ao fluxo diário de 16,5 milhões de
barris de petróleo que por ali passa, causará imediato reflexo na elevação do preço.
A fase de transição que a humanidade atravessa, há nuances e diferenças que merecem reflexão e análise cuidadosa, sobre os seguintes aspectos e impactos:

a) O impacto sobre o preço do petróleo quando se alcançar patamar superior a US$ 100.00/barril;
b) O impacto sobre as economias americana e chinesa diante deste cenário;
c) O impacto sobre a economia mundial;
d) O impacto sobre o meio ambiente.

Cenários e Tendências

Cenários podem ser desenhados, sobre o que pode acontecer nesta era de transição, levando-se em conta as seguintes questões:

a) Variações no preço do petróleo;
b) Aumento da inflação mundial;
c) Retração nos investimentos;
d) Incremento de inovações tecnológicas;
e) Impacto sobre o custo dos alimentos.

Qualquer que seja o cenário, dois ingredientes são fundamentais para qualquer economia: o preço do petróleo e o repasse do custo para a economia.
O Brasil hoje importa em média 10% de suas necessidades de petróleo e de óleo diesel, e, portanto, é baixo o impacto da elevação do preço do petróleo sobre a economia brasileira e o abastecimento nacional. As dificuldades em manter o preço recairiam apenas sobre o óleo diesel e o gás natural.
Entretanto, se houver sinalização de redução do fluxo de petróleo, o produto poderá alcançar rapidamente um novo patamar. No período seguinte ao da transição, o preço do petróleo se elevaria para valores acima dos US$ 100,00/barril e na continuidade poderia subir ainda mais. Desta maneira, estaríamos diante de um novo cenário, com profundas repercussões mundiais.
Este cenário propicia o desenvolvimento do pré-sal e das formas alternativas de geração de energia e promove um conjunto de ações mobilizadoras para uma política de conservação de energia.
Assim, seria estratégico que o Brasil adotasse uma postura que promovesse imediatamente ações firmes para o incremento da participação na matriz energética brasileira tais como, a energia solar, eólica, das marés e o biogás.
O gás natural deveria desenvolver uma política nacional de uso com prioridades definidas, bem como intensificar o incremento de produção, de parcerias, de gasodutos e do uso do GNL.
O óleo diesel deveria ter um programa específico de diretrizes, PRÓ-DIESEL, para que sejam incentivadas de forma coordenada soluções alternativas de abastecimento nacional, como o biodiesel, a mistura álcool/diesel, o diesel-gás, entre outras soluções.
Este é o ambiente próprio para a consolidação de uma política nacional para o hidrogênio, e o veiculo à eletricidade, como uma solução brasileira. A consolidação do etanol como commodity para o Brasil exportar para o mundo.

*Ronald Carreteiro é engenheiro, ex-diretor de gás natural e alternativos energéticos da Petrobras Distribuidora, é membro do Conselho de Tecnologia da Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro) e Coordenador do Escritório de Inovação da Universidade Católica de Petrópolis.
rpcarr@openlink.com.br

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com