Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 26
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
05/05/2011 04h30

Concorrência

Era uma vez um grande navio de pesca, que ia e voltava ao mar, regularmente, ficando longos períodos em sua atividade externa.
Ao capturar peixes, os mesmos eram armazenados no porão da embarcação, tendo parte, ou a totalidade, da carga deteriorada ao descarregá-la no continente.
Os responsáveis decidiram buscar uma solução para melhor conservação dos pescados, onde a primeira ideia foi transformar o porão num grande tanque com água, para estocar e manter a carga viva, portanto, melhor conservada. Na primeira oportunidade, o novo método fracassou, já que os peixes, mesmo com a água, morreram antes do final da jornada marítima.
Após voltar à “prancheta”, os responsáveis colocaram, novamente, a embarcação e tripulação a caminho do alto-mar, mantendo, desta vez, tubarões vivos no tanque.
Quando os peixes recém-capturados eram embarcados, encontravam uma animada companhia para a longa viagem ao continente.
Resultado: a carga se manteve conservada até o desembarque, onde a dedução foi que os peixes teriam “morrido entediados”, sendo que a presença dos redadores os mantiveram atentos e em movimentos de fugas constantes, afim de evitar serem devorados.
Bem, esta parábola, que conheci durante uma palestra, nos faz lembrar sobre a importância da presença constante da concorrência, que pode até “nos devorar”, caso fiquemos estáticos, acomodados. É muito comum ouvir, ou ler, sobre os seus aspectos perversos, mas tentar apenas construir barreiras alfandegárias como forma de combate podem gerar efeitos colaterais, como vimos no período em que vigorou a reserva de mercado por aqui, ou redundar no mesmo efeito de enxugar gelo.
Contra-ofensiva: numa estratégia digna do general Sun Tzu (conforme o famoso tratado militar A Arte da Guerra) a Kodak, empresa norte-americana de produtos fotográficos, ao enfrentar uma concorrente em seu próprio território, a japonesa Fuji, como forma de defesa abriu uma unidade no Japão. Isso teria enfraquecido as ações da Fuji, já que ela teria que redirecionar recursos para a defesa em sua própria casa.
Evidentemente, no caso de parafusos, com as políticas brasileiras para o setor industrial, exportar para Ásia, por exemplo, ainda é um sonho.

Boa leitura!
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com