Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 47
Busca::..
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eventos - Coventya
16/09/2014 11h13

 Eventos 

 

Coventya mostra as solicitações das indústrias automotivas em workshop

 

  “Há apenas três certezas na vida: a morte, os impostos e a corrosão”  

Especialista em tratamentos de superfície, a empresa organizou o workshop Solicitações das Indústrias Automotivas nos Ensaios de Corrosão e as Novas Tecnologias da Coventya no auditório do Senai Mário Amato, em São Bernardo do Campo/ SP, escola referência em Química, Materiais e Meio Ambiente. A grade de palestras estava formada por especialistas de diversas montadoras, como a Fiat, GM, Renault, Volvo e Volkswagen, pela professora do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – IPEN, Isolda Costa, e também pelo diretor da Coventya na Alemanha, Rainer Veinz. O evento debateu origens e causas da corrosão, suas consequências e o que a indústria automotiva necessita para que isto não ocorra, exemplificando como ocorrem os ensaios em cada montadora.  

A Coventya conta com 50% da sua receita originária do setor automotivo. Por isso, o automóvel é considerado parte integrante da cultura da empresa. Oferece cerca de 500 processos de tratamento de superfície e possui atuação em mais de 40 países. Raul Grobel, gerente de mercado automotivo, recepcionou os presentes e deu início às apresentações. Confira a seguir:  

 

 

Rainer Venz – Diretor da Coventya Alemanha

“Novas Tendências em revestimetos decorativos”

Venz começou sua apresentação fazendo um comparativo dos testes citados pelas montadoras com o que acontece nas ruas, principalmente na Europa, onde a condição climática contribui fortemente para a corrosão devido à neve e a chamada Russian Mud (lama russa). Tambem exemplificou como funciona o banho cromado em plásticos e o procedimento de proteção das peças da Coventya, que aumentam o tempo de vida do componente.

Por último, foi apresentado um protetivo com o objetivo de criar um acabamento sem nenhum tratamento adicional, livre de cromo hexavalente. Veinz elegeu o tratamento Strata + Tristar da Coventya como o que proporciona um dos melhores resultados.  

 

 

Mauricio Correa – GM

“Testes Acelerados de Corrosão”

Correa abrangeu alguns testes específicos para corrosão normalmente utilizados para verificação de processos e pinturas. Entre eles foram citados os testes em névoa salina, para materiais ferrosos; o cass, para materiais não ferrosos e componentes cromados; câmara úmida, para pintura; e scab test, para ver o nível de penetração das peças pintadas.  

 

 

 

Fabio Olivier – Volkswagen

“Ensaio de Corrosividade”

Comentou sobre os testes de cada montadora e como os ensaios cíclicos ajudam a elucidar os diferentes tipos de tratamentos químicos – principalmente a câmara de salt spray. Ainda, referente ao clima brasileiro contribuir para corrosão, afirmou que a parte superior do veículo é a mais atingida por aqui.  

 

 

Professora Isolda Costa – IPEN (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares)

“A Corrosão dos Metais e suas Consequências”

“Há apenas três certezas na vida. A morte, os impostos e a corrosão”, afirmou Costa na abertura de sua apresentação. Abordou de maneira geral sobre o tema, citando os elementos que promovem e de que forma isso acontece. A corrosão foi mencionada como uma das principais preocupações mundo afora. “3 a 4% do PIB de países desenvolvidos são gastos com medidas protetivas”, explicou.

As principais consequências referidas pela professora são: destruição de grandes construções; vazamento de agua e óleo; redução no valor de produto; e prejuízo ao meio ambiente. A solução é interferir no processo corrosivo e investir em barreiras de revestimento.  

 

 

Elison Santos – Volvo

“ACT – Accelerated Corrosion Test STD 423-0014”

Santos discorreu specificamente sobre o teste STD 423-0014, que foi desenvolvido em 1987 r) especificamente sobre o teste STD 423-0014, que foi desenvolvido em 1987 para avaliação da atmosfera na corrosão. Esta norma define um teste de corrosão acelerado a ser utilizado na avaliação da resistência de metais em ambientes onde há uma influência de sódio, como a neve, por exemplo. Segundo o especialista, existem três câmaras de teste no mundo e sua durabilidade é de seis semanas.  

 

 

Sidnei Schmitz – Renault

“Corrosão e Proteção Anticorrosiva”

Durante sua palestra, Schmitz abordou como funciona o desempenho anticorrosivo do automóvel e como a visão do cliente, caso aconteça a oxidação, impacta diretamente na qualidade, segurança e no valor do produto. Por isso, é crucial investir em bons acabamentos de superfície, mesmo nas peças decorativas.

Exemplificou aos presentes como funciona o ensaio de corrosão cíclica da montadora e também como o clima do Brasil, considerado forte pela soma da umidade e calor, agride os componentes automobilísticos.

 


 Athos Hammel (Volkswagen), Alessandro Montoya (Kamax),Rainer Venz (Coventya) e Mauro Polisel (Lipos)  Natália Costa, Felipe Santos, Raiany Aguiar, Fátima Ribeiro, Artur Stamer,Raul Grobel, Stella Mattana, Rainer Venz, Nuno Fernandes (Coventya), Adriano Bacco (Metaltron) e Francisco Lanza (Coventya)

 

 Sérgio Florian, Nuno Fernandes (Coventya), Débora Araújo (Fosfer), Thiago Pagliarini, Carlos Nascimento (Coventya e Rafael Tavares (Volkswagen)  Sidnei Schmitz (Renault), Fernanda Oliveira (Equilam), Fábio Oliver (Volkswagen) e Elison Santos (Volvo)

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com