Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 47
Busca::..
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
16/09/2014 11h19

 Editorial


“Totalmente demais”


Segundo Platão, filósofo e matemático que viveu entre 428 e 347 a.C., “o único círculo perfeito é aquele projetamos em nossa mente”. Se estendermos este conceito para nossos planos profissionais, ou pessoais, teremos resultados reais, na maioria das vezes, muito aquém do desejado. Normal.

Usando como exemplo a transição entre um ano e outro, neste período são muito otimistas as projeções para o “novo ciclo”, muitas delas otimistas até demais. Considerando que num dado momento – do ano, dia ou hora – o negócio que você conduz pode não estar bem, simplesmente porque sua fase de grande demanda pode estar na baixa do ciclo (termo este derivado de círculo), mas você ainda não sabe. Normal. Exemplificando, poucas pessoas consomem cervejas das 6 às 9h da manhã. Nesse período, a grande demanda é do café.

Agora imaginemos um gestor que passe a dirigir um restaurante, mas sem conhecer nada do negócio. No primeiro dia, entre 8 11h da manhã, ele poderá concluir que restaurante é “o pior negócio do mundo”, já que ninguém entrou ali. Das 11h em diante as coisas começam a melhorar ciclicamente, ao ponto de alcançar movimentação total entre 12 e 14h, fazendo o gestor considerar que é “o melhor negócio do mundo”. Após às 14h os clientes desaparecem, como no vazio da manhã, mas logo o movimento se reascende com o aproximar do jantar.

Concluindo, tanto num restaurante como em outro tipo de negócio, quemprojetar obter lucratividade total 365 dias/ano 24 horas/dia, estará no ciclo da ilusão, desenhando em sua mente o “círculo perfeito” de Platão. Portanto, ninguém consegue ser “totalmente demais”, lucrando o máximo, todo dia, toda hora.

Recentemente, ao ser perguntado se era feliz,o filósofo Luiz Felipe Pondé respondeu: “sim, de vez em quando”.

Boa leitura!
Sérgio Milatias
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com