Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 47
Busca::..
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eventos - Atotech
16/09/2014 11h12

Eventos

 

 Atotech investiu em tecnologia verde para seminário técnico

 

Foram apresentados os processos inovadores nas áreas de zinco eletrolítico e de organometálicos, assim como as tendências da indústria automotiva  

 

 

 

Durante o Seminário de Proteção contra Corrosão, promovido pela Atotech do Brasil no mês de agosto, no Hotel Palmleaf Grand Premium, em São Bernardo do Campo/ SP, foram compartilhados diversos temas que envolvem a aplicação de tratamento de superfícies – especialidade da empresa – que pretendem minimizar o desperdício de material e reduzir o impacto ambiental.

Segundo o diretor executivo da empresa no país, Milton Silveira, que deu início à abertura dos trabalhos, esses eventos também são importantes para confraternizar e reunir clientes e fornecedores de todos os setores, como montadoras, autopeças, parafuseiros e galvanoplastias, afim de focar em progressos para a indústria automotiva. “A Atotech vem realizando esses seminários a cada ano, em diversas partes do mundo. Já é a segunda edição que realizamos este ano no Brasil, inclusive. As apresentações são um forte ingrediente para cabeças colocarem em prática mudanças e avanços. Essa consciência ecológica e a busca incessante por produtos que proporcionem desenvolvimento sustentável criarão agora e no futuro os caminhos para a perpetuação de nossa indústria”, afirmou Silveira.  

A empresa opera em 40 países e conta com 33 subsidiárias. Está no Brasil desde 1982, e sua sede situa- se em Taboão da Serra – SP, pronta para atender o mercado nacional. Em 2013, fechou faturamento global em U$ 956 milhões, 53% representados pela indústria eletrônica e 47% para GMF – General Metal Finishing (produtos para tratamento de metais). Seus principais objetivos são a redução de custos; soluções de produção sustentáveis; uso das tecnologias verdes, promovendo qualidade com custo competitivo; e produtos com linhas em escala de produção e qualificação.

Após o diretor brasileiro, também palestraram Matthias Hoch, gerente de novos negócios CRC, Pascal Pochmann, gerente de novos negócios F&S, ambos da Atotech Alemanha, e Sabine Sengl, gerente OEM da Europa. Leia a seguir os destaques das apresentações:  

 

 

Pascal Pochmann, Gerente Novos Negócios F&S – Atotech, Alemanha “F&S - Revestimento Organometálico para diversas aplicações”

Na apresentação, Pochmann demonstrou slides de casos onde as aplicações Atotech obtiveram resultados dentro e/ou acima das expectativas das demandas anticorrosivas, especialmente no uso de ensaios por meio de Salt-Spray. Além disso, alguns dos destaques ficaram por conta de aplicações severas, onde se incluem os sistemas de freio. “As exigências são cada vez maiores, puxadas especialmente pelo setor automotivo. E estamos sempre inovando e investindo em tecnologias para atender às demandas”, afirmou.  

 

 

Dr. Matthias Hoch & Pascal Pochmann

“CP Approach – Como duas tecnologias distintas trabalham em busca da alta resistência à corrosão”

Aqui, os dois especialistas apresentaram um quadro com os benefícios da combinação entre as duas tecnologias que a Atotech fornece. Foi concluído, através de resultados obtidos, que a combinação dos sistemas com Zn/ZnNi, passivação e revestimento superior são capazes de gerar ótimos resultados na proteção anticorrosiva, na resistência química e consistentes propriedades em coeficiente de atrito, além de aparência atrativa e com durabilidade. “Ambos os produtos possuem excelente proteção anticorrosiva, custo competitivo, alta produtividade, além do nosso know how global”, afirmaram.  

 

 

Dr. Matthias Hoch, Gerente Novos Negócios CRC – Atotech, Alemanha “CRC – Proteção com sustentabilidade nos processos de zinco e zinco ligas”

“Todos buscam o melhor para obterem bons resultados, mas isso não deve transgredir o ambiente saudável e seguro”, começou Hoch. Demostrou em sua palestra que a empresa está com foco na eficiência amparada pelas exigências verdes do mercado, fazendo apontamento para as linhas de produtos para processos de zinco e zinco ligas e seus avanços. Inclusive, citou exemplo prático de eficiência a qual o mercado exige: “Há uma transformação profunda ao comparar um carro antigo, especificamente numa roda de uma Mercedes, com calota cobrindo totalmente o sistema de freio, e um modelo atual. Da primeira forma, a corrosão avançava e poucos percebiam. Hoje, as rodas de carros e motos deixam este sistema exposto, onde qualquer avanço da ferrugem é logo percebido. Isso indica um nível de exigência e eficiência cada vez maior”.  

 

 

Sabine Sengl, Gerente OEM - Europa

“OEM - Tendências do Mercado Automotivo”

Sengl apontou as dimensões do mercado automotivo, que é sua especialidade, e também sobre a cadeia automotiva de suprimentos. São milhares de fornecedores, onde cada veículo conta com nove mil componentes em média, muitos deles vindo de diversas e diferentes partes do globo. Demonstrou como a Atotech lida com essa complexidade, apontando os cenários da produção automotiva mundial, atual e futuro e aspectos da América do Sul e Brasil. Segundo números divulgados, nosso país possui o melhor crescimento – em projeção até 2021 – comparado à Argentina, Colômbia, Equador, Uruguai e Venezuela. Entrou também nas projeções e demandas que as montadoras fazem para que empresas se adequem para a competitividade e metas para redução de custos, indicando inclusive os pontos onde podem ser obtidos esses “milagres”.

 Roger Azeka, Sabine Sengl, Maurício Bombonati, Milton Silveira, Vivian Nagura, Matthias Hoch e Pascal Pochmann (Atotech)  Eduardo Venerando (Atotech, Sueo Tani (MTR. Topura Fastener) Roger Azeka (Atotech), Rosimeire Santos e Roberto Fukunaga (Zincagem Marisa)

 

 Aline Almas e Gláucia Burjato (Montman), Maurício Bombonati, Pascal Pochmann (Atotech) e Sérgio Soirefmann (Galva)  Rafael Tavares (Volkswagen), Vivian Nagura (Atotech), Fernando Gonsalves e Vagner Salvado (Volkswagen) e Roger Azeka (Atotech)

 

 Maurício Correa (General Motors), Sabine Sengl (Atotech) Isaac Newton Mendes (General Motors), Matthias Hoch (Atotech), Antônio Carlos Sobrinho (ABTS) e Alessandro Montoya (Kamax)  Anderson Bos, Eduardo Venerando, Fábio Andrade, Aldo Rocco, Davi Oliveira, Ricardo Figueiredo, Douglas Bosel (Atotech)

 

 Marcelo Fazani, Vinicius e Antônio Mendoza (Zincagem Marisa), Waldemar lopes e Ramon Gonsalves (Meta Galvanização), Antônio Carlos Sobrinho (ABTS), Alessandro Montoya (Kamax), Adilson Zotovici (Nipra) e Rosimeire Fornachari (Galvanização Anchieta)

 Anderson Basso (Rex), Vivian Nagura (Atotech), Lutero Martins (Montman), Fernanda Queiroz, Kellie Provazi, Natasha Hammel (IPEN) e Ricardo Moreira (Jomarca)

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com