Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 48
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fique por Dentro
05/11/2014 05h45

Fique por dentro

 
Parafuso de seda é a nova descoberta de cientistas americanos
 
 

Com proteína fabricada pelo bicho-da-seda, eles poderão substituir estruturas de metal utilizadas no tratamento de fraturas

 

 
 

Uma equipe de engenheirosmédicos da Escola de Engenharia da Universidade Tufts e do Centro Médico Beth Israel Deaconess (BIDMC), ambos dos EUA, utilizaram a proteína de seda pura derivada de casulos de bichos-da-seda para desenvolver placas e parafusos cirúrgicos. A expectativa dos cientistas é que essas peças venham substituir as de metal usadas atualmente no reparo de ossos quebrados.

“Ao contrário do metal, a composição da proteína de seda pode ser semelhante à composição do osso. Os    materiais são robustos e mantêm a estabilidade estrutural sob temperaturas muito altas e suportam condições ambientais extremas, além de serem facilmente esterilizados”, escreveu Samuel Lin, da Divisão de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva do BIDMC e um dos autores do estudo publicado na revista Nature Communications.

O experimento foi testado para reparar fraturas em ratos e obteve 100% de eficácia. Foram produzidos 28 parafusos, que ficaram implantados nos ossos das cobaias por quatro a oito semanas. Caso seja autorizado o uso em humanos, a nova técnica deverá substituir os dispositivos feitos em metal, oferecendo uma melhor remodelação óssea após lesão e ainda podem ser absorvidos pelo corpo ao longo do tempo, eliminando a necessidade de remoção cirúrgica após a cicatrização.

Segundo David Kaplan, engenheiro biomédico da Tufts, a seda também possui um tempo longo para inchar e, desse modo, consegue manter sua integridade mecânica mesmo quando entra em contato com fluídos e tecidos durante a cirurgia. “Nenhum parafuso falhou durante a implantação. Outra grande vantagem da seda é que pode ela estabilizar e distribuir componentes bioativos, de modo que as placas e parafusos de seda podem, na verdade, fornecer antibióticos para prevenir a infecção, medicamentos para melhorar o crescimento do osso e outros agentes terapêuticos para apoiar a cicatrização”, afirmou Kaplan.

“Como os parafusos de seda são radioluzentes (transparentes em raios-X), pode ser mais fácil para o cirurgião ver como a fratura está progredindo durante o período pós-operatório, sem o impedimento dos dispositivos de metal”, explicou Samuel Lin. “E ter um sistema eficaz em que os parafusos e placas ‘derretem’ uma vez que a fratura está curada pode ser o grande benefício. Estamos muito animados para continuar este trabalho em animais maiores e, finalmente, em ensaios clínicos humanos”.

Os pesquisadores da Tufts utilizaram proteínas de seda da espécie de mariposa Bombyx mori, cuja larva produz fios de seda. Produzida a partir das glândulas do bicho-da-seda, a proteína é dobrada em formas complexas, o que lhe confere propriedades únicas de resistência e versatilidade. Esse tipo de material não interfere em aparelhos de raios-X, não dispara alarmes e não gera sensibilidade ao frio como o metal.

*com informações de O Globo

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com