Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 44
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
20/03/2014 11h02

 Editorial

 

O pessimismo é chique

 

 

O autor dessa frase é o filósofo, escritor e professor Luiz Felipe Pondé, que certa vez declarou: “Não tem nada demais uma pessoa estar sempre otimista, dizendo que tudo está lindo e maravilhoso. O problema é que nesse tipo de situação nos perguntamos se é apenas o caso de uma pessoa com astral sempre pra cima, ou se é alguém que não sabe exatamente o que está se passando a sua volta”. Segundo ele, de certa forma o pessimismo funciona como uma espécie de “controle de qualidade”.

Pondé destaca não ter dúvidas que o pessimismo é muito mais chique que o otimismo, e que aquele que estiver num ambiente público, como num encontro de negócios, e conseguir manter um semblante melancólico obterá maior credibilidade do que aquele que fica rindo a toa. Otimismo ou pessimismo, o que devemos considerar não é “ser um ou o outro”, e sim os extremos.

O tema aqui abordado foi escrito no chamado “1º dia do ano”, ou seja, na 1ª segunda-feira após o Carnaval, data em que esperamos que os setores de turismo e entretenimento – os beneficiados pela estação de férias e festas – continuem bem, mas que comecemos logo a produzir, e renovemos o nosso otimismo, mesmo que com moderação.

Estão faltando palhaços

Não, o título não é uma piada. Sua fonte é o Manhattan Connection, programa de TV (Globo News), que destacou recentemente a queixa de uma associação norte-americana desses profissionais do humor. Segundo a entidade, a razão da escassez estaria no desinteresse dos jovens, somada a aposentadoria dos mais velhos.

Um dos entraves para as coisas andarem no Brasil é a escassez da mão de obra, que ocorre em muitos setores, obrigando-nos a fazer malabarismo.  

 

 

Boa leitura!
Sérgio Milatias
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com