Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 44
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
20/03/2014 10h58

Entrevista

 

Wilma Ayako: coordenadora do EBRATS 2015  

 

O evento programado para 2015 poderá ser impulsionado pelo desempenho das exportações, do agronegócio e pelos estímulos aos produção de autopeças nacionais  

 

Química pela FASB e mestre em ciência dos materiais pelo IPEN - USP, Wilma Ayako Taira dos Santos é hoje representante no campo técnico e comercial da Electrochemical, empresa paulistana do setor galvânico.

Presidente na gestão 2010-2012 da Associação Brasileira de Tratamento de Superfície (ABTS), hoje ela ocupa a coordenação da 15ª edição do EBRATS e VI Interfinish Latino Americano, evento trianual do segmento de tratamento de superfície, aplicação imprescindível na produção industrial, inclusive em peças de fixação. Acompanhe a entrevista a seguir.  

Revista do Parafuso: Estima-se que a carta de Pero Vaz de Caminha, certidão de nascimento do Brasil, levou 40 dias até as mãos do Rei de Portugal. Hoje, nesse mesmo tempo se faz uma infinidade de tarefas. Nessa linha “2015 já está aí” e parece que o último EBRATS foi “ontem”. O que pensa dessa rapidez das coisas modernas?

Wilma Ayako: Parece-me que muitos de nós não estão preparados para a rapidez com que o mundo torna coisas modernas obsoletas. A humanidade caminha para valorizar mais aqueles profissionais com maior capacidade de gerir novidades e delas fazer uso beneficiando-se da informação, que é vasta.

Como acompanhar tal velocidade? Não sei, mas todo o dia tenho a sensação de ter deixado de fazer inúmeras tarefas, todas importantes. O consolo é que estamos experimentando esta “nova era” todos juntos, e é um grande privilégio fazer parte de tantas transformações. No final percebemos que estamos realizamos muito mais do que há 30 anos atrás.

Em quanto corresponde o mercado brasileiro entre revestimentos decorativo e protetivo?

Não tenho o percentual atualizado por fontes oficiais, mas eu diria que estamos a 60% protetivo e 40% decorativo.  

Qual o tamanho do mercado nacional em números?

Segundo a pesquisa encomendada pela ABTS, o mercado brasileiro consome diretamente em serviços de tratamentos de superfície o montante de R$ 2,5 bilhões/ano, sem considerar as galvanoplastias e empresas integradas ao processo produtivo.

Além disso, o setor de Tratamentos de Superfície é parte de um número muito grande de cadeias produtivas, como a indústria automotiva, construção civil, moveleira, decorativa, artefatos de metal entre outras.  

“Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o Brasil é o quarto país em licenciamento de veículos novos, ficando atrás somente da China, Estados Unidos e Japão.”    

O Brasil é o 5º mercado mundial em produção automotiva; estima-se US$ 30 bilhões em investimentos até 2016. Como o setor de revestimentos avalia?

Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o Brasil é o quarto país   em licenciamento de veículos novos, ficando atrás somente da China, Estados Unidos e Japão. Já na produção é o sétimo maior produtor do mundo, o que nos dá indicativos que temos muitos desafios para o futuro.

Os números são animadores impulsionados pelo bom desempenho das exportações, do agronegócio e pela substituição de veículos importados por nacionais. A produção brasileira de autos em 2013 foi a melhor da história e ainda há muito espaço para o crescimento, sobretudo se considerarmos que a média de veículo por habitante ainda é baixa. No Brasil temos 5,7 habitantes para cada veículo contra 2,0 das nações mais desenvolvidas.

No setor de tratamentos de superfície, sabemos que o grande desafio é manter o nossos profissionais capacitados e atualizados, tanto nas novas tecnologias que surgem como nas crescentes demandas de regulamentação.

Como está a programação para o Ebrats?

Estamos com muita expectativa para o lançamento que será em 8 de abril deste ano, o que nos dará um direcionamento melhor. O evento acontecerá entre os dias 8 a 10 de abril de 2015, no Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte em São Paulo, capital.

Pode traçar um comparativo da evolução do evento entre as edições anteriores?

Estamos trabalhando para que a 15ª edição seja maior do que o anterior (14ª em 2012), que teve 123 expositores, sendo 27 deles do exterior. Isso representou um aumento de 42% em relação a 13ª edição (2009). Estes números colocam o Brasil como importante centro de eventos de Tratamentos de Superfície do mundo.

Fale sobre o Interfinishing.

O Interfinishing é um congresso da IUSF – International Union for Surface Finishing. Costumo dizer que é a “FIFA dos tratamentos de superfície”. Em cada quatro anos é promovido um encontro mundial que acontece em países distintos. A última edição foi em Milão, na Itália, em 2012, onde a ABTS esteve presente com uma delegação e vários trabalhos apresentados. A próxima será em 2016 na Coréia Coréia do Sul. Nosso país já foi sede deste encontro mundial em 1992. Entre estes eventos que são mundiais existem os regionais, como o VI Interfinish Latino Americano que acontecerá junto com o 15º EBRATS. No Brasil já realizamos três eventos dessa natureza dada a importância do mercado brasileiro para a América Latina.  

Estão previstas muitas palestras técnicas?

O número de palestras é sempre uma surpresa, mas iremos fazer muita divulgação junto às empresas e aos meios acadêmicos com o objetivo de trazer um número expressivo de trabalhos e de qualidade.

Em relação as edições anteriores, você acredita que dá para atrair muito mais visitantes ou os números estão dentro do esperado?

Da mesma maneira, o número de visitantes é imprevisível. Mas para a ABTS, mais importante que um número maior é observar a qualidade dos visitantes. Queremos sim que todo o profissional que trabalhe com tratamentos de superfície, de forma direta ou indireta, esteja no nosso EBRATS e desfrute dos conhecimentos que lá iremos compartilhar.

O maior legado deste e de outros encontros que promovemos na ABTS é fazermos com que o profissional participe das atividades e atue conosco para melhorarmos a qualidade técnica dos profissionais do setor, os capacitando e igualando aos melhores do mundo.  

Em 2012 tivemos o pianista João Carlos Martins na abertura. Como será em 2015?

Surpresa...

Wilma Ayako Taira dos Santos
ABTS - Associação Brasileira de Tratamentos de Superfície

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com