Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 44
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos - Parafusos Estruturais
20/03/2014 10h56

 Artigos

 

Parafusos estruturais de aço patinável na construção em aço - Parte I

 

Após mais de 60 artigos técnicos publicados no Brasil e no exterior, o autor apresenta nesta edição a 1ª parte do artigo sobre os aços patináveis  

 

Introdução

A construção em aço cria, por vezes, situações em que diferentes ligas metálicas, unidas (p.ex., por parafusos ou solda), estão presentes em um mesmo sistema. Um bom exemplo é observado nas ligações, onde parafusos estruturais (“pretos”, galvanizados a fogo, ou, ainda, em aço patinável) são empregados nas uniões de componentes estruturais em aço carbono ou em aço patinável.

Esta mistura de materiais ocorre, principalmente, por duas diferentes razões: <1>-Experiência prévia de uso, e, <2>-Indisponibilidade local dos itens julgados, a priori, como sendo adequados.

Em certas circunstâncias, que serão detalhadas a seguir, a união de diferentes ligas metálicas pode levar à corrosão acelerada de um dos componentes. Este fenômeno é conhecido como corrosão galvânica; as diferentes ligas metálicas formam, então, o que se chama de par galvânico. Como resultado da formação de um par galvânico, temos o aumento da velocidade de corrosão do elemento menos nobre do par. Em contrapartida, a liga mais nobre (do par) tem sua velocidade de corrosão diminuída. Este tipo de corrosão pode promover danos “cosméticos” à aparência da liga menos nobre ou, em casos extremos, uma perda de massa considerável, levando à redução drástica da vida útil do componente.

Os aços patináveis são sabidamente “mais nobres” do que os aços estruturais ao carbono. Isto é devido à sua composição química diferenciada. Eles podem, a princípio, desenvolver corrosão galvânica quando conectados aos aços estruturais comuns – fato extensivamente divulgado na literatura. Seria isto verdadeiro para todas as condições de uso? Não. Isto não é verdadeiro, para boa parte das situações vivenciadas pelo engenheiro projetista.

O risco da corrosão galvânica depende de uma série de fatores. Além do aço utilizado, as características do ambiente e o detalhe de projeto são cruciais. É difícil, senão impossível, fazer um julgamento a priori a respeito da compatibilidade

O presente artigo descreve os princípios da corrosão galvânica e os principais parâmetros que permitem aos projetistas estimar o risco da corrosão quando utilizam materiais diversos na construção de uma estrutura em aço – especialmente no caso da escolha dos parafusos estruturais.

Os Princípios da Corrosão Galvânica

Para que a corrosão galvânica ocorra, três condições devem ser satisfeitas simultaneamente:  

• Duas ou mais ligas metálicas que apresentem diferentes potenciais de corrosão (ou, potenciais eletroquímicos) devem ser conectadas;

• A conexão deve ser tal que permita o fluxo de elétrons entre as ligas;

• As ligas metálicas, conectadas “eletricamente”, devem ser banhadas por uma mesma solução condutora de íons – o eletrólito.  

A Figura 1 ilustra os três pré-requisitos de forma gráfica.    

 

 Figura 1: Os três pré-requisitos da corrosão galvânica: ligas metálicas com diferentes potenciais de corrosão, conectadas eletricamente e banhadas pelo mesmo eletrólito.  

 

Se a corrosão galvânica puder se desenvolver, a liga menos nobre – o anodo – é preferencialmente corroída. Em oposição, a liga mais nobre – o catodo – é protegida. Sua taxa de corrosão diminui muito. De fato, o princípio da proteção catódica é baseado em anodos de sacrifício, promovendo a proteção a partir da corrosão.

O contato das duas ligas metálicas, com diferentes potenciais eletroquímicos, imersos em um eletrólito, leva ao desenvolvimento de um fluxo de elétrons do anodo para o catodo. As reações eletroquímicas são as mesmas que ocorrem enquanto as ligas metálicas estão isoladas, expostas ao ambiente particular – reações anódicas e catódicas. Entretanto, a corrosão sobre o anodo é acelerada. Em alguns casos, a formação de elementos galvânicos (conhecidos como “pares galvânicos” ou “pilhas galvânicas”) pode levar à corrosão em ligas que seriam resistentes à corrosão em dado ambiente. Este pode ser o caso de ligas consideradas passivas em ambientes atmosféricos, como alumínio, que pode ser levado à corrosão pela formação de pares galvânicos. Em tais casos, a corrosão localizada (como a corrosão por frestas ou pites) pode ser observada, o que não ocorreria sem que houvesse alteração de potencial, causada pela formação de um par galvânico.

Contrariamente ao que se acredita, a diferença de potencial existente no par galvânico, por si só, não é um bom indicador do risco da ocorrência deste tipo de corrosão. Ela somente indica quando este risco deve ser considerado. Neste contexto, deve ser lembrado que as várias tabelas publicadas - chamadas de “Série Eletroquímica”, somente oferecem uma aproximação à questão da diferença de potenciais. O fator decisivo não é a diferença de potencial observada em condições experimentais normatizadas, rigidamente controladas, mas a diferença real de potencial, de ligas reais, sob condições reais. Esta é a razão pela qual as tabelas empíricas de “Série Galvânica” foram feitas para certo número de ambientes típicos – como, p.ex., a água do mar. A Figura 2 ilustra a série galvânica, para água do mar, a 25°C.  

 

Figura 2: Série galvânica para diferentes ligas imersas em água do mar, a 25°C.  

O conhecimento dos fatores necessários ao desenvolvimento da corrosão galvânica e entendimento dos exemplos relacionados na figura 3 torna possível a determinação de ações preventivas, que serão discutidas a seguir.

 

Fatores relevantes ao desenvolvimento da corrosão galvânica

De acordo com a Lei de Faraday, os processos de corrosão eletroquímica estão diretamente relacionados à transferência de cargas elétricas, isto é, ao fluxo de correntes. Correntes ou densidades de corrente são, assim, frequentemente utilizadas para medir a velocidade de corrosão. Se as condições para a ocorrência da corrosão galvânica forem satisfeitas, em princípio, a corrente de corrosão total, Itot, é composta de uma corrente parcial de “auto-corrosão” Is (isto é, a parte da corrosão que independe do contato com a outra liga metálica) e a corrente parcial da cela, Iel, (isto é, a parte da corrosão originada pela união das ligas metálicas que compõe o par galvânico). Isto é descrito pela Equação 1:  

A intensidade da corrosão em dado elemento é determinada pela diferença de potencial entre os dois metais (ΔV), a resistência do eletrólito (Rel) e a resistência de polarização no anodo (Rp,a) e no catodo (Rp,c), respectivamente (Equação 2):

 

Podemos fazer inferências, utilizando a equação 2, a respeito dos fatores que determinam a corrosão galvânica. Estes fatores são críticos na avaliação da possível ocorrência ou não da corrosão galvânica. O efeito destes fatores será discutido individualmente, a seguir.  

 

 

Resistividade do eletrólito

O risco da corrosão galvânica diminui com o aumento da resistividade do eletrólito. Isto acontece porque o alcance da corrente galvânica (iônica, no eletrólito) é reduzido e a mudança de potencial (V) no anodo é limitada, tal como ilustrado na figura 4.  

Figura 4: Influência da resistividade do eletrólito sobre a corrosão (ou, despolarização) do anodo (V corresponde ao potencial medido).  

É importante lembrar que a resistividade é inversamente proporcional à quantidade de sais dissolvidos em solução. Ambientes mais poluídos levam a eletrólitos de menor resistividade, e vice-versa.

Para eletrólitos com maior resistividade (como películas de água resultantes de condensação de vapor de água, como o orvalho), haverá, consequentemente, uma menor velocidade de corrosão. Assim, quanto mais sais dissolvidos no eletrólito, maior será a corrosão do anodo, causada pelo efeito galvânico.

Ambientes atmosféricos classificados como de muita alta agressividade, industriais ou marinhos (C5-I e C5-M, segundo a norma ISO 9223) são aqueles em que, devido à menor resistividade do eletrólito superficial, a corrosão galvânica se desenvolve com certa frequência. A Tabela 1 traz valores específicos de condutividade (o inverso da resistividade), para vários tipos de eletrólitos aquosos.  

Tabela 1: Valores típicos de condutividade específica em diferentes tipos de água.    

Duração do umedecimento

Existe uma forte interação entre a resistividade do eletrólito e a duração do umedecimento. Menor resistividade implica em maior quantidade de sais em solução no eletrólito que, por sua vez, resiste mais ou menos à desidratação completa. Não é possível secar completamente uma superfície metálica previamente exposta, p.ex., a deposição de sais marinhos (a névoa salina). Isto é de grande importância sempre que os componentes do par galvânico não estiverem permanentemente umedecidos por líquidos aquosos. Como descrito anteriormente, a película de eletrólito desempenha papel fundamental no processo. Sem a película, a corrosão galvânica não ocorrerá.

Isto implica, na prática, que qualquer combinação de materiais metálicos a princípio não é problema desde que não exista película de eletrólito presente. Esta é uma situação típica para interiores sem condensação. Componentes de iluminação (p.ex., lustres), em ambientes interiores, costumam unir diferentes ligas metálicas (latão, alumínio, etc.). A corrosão galvânica raramente é observada nestas condições. De modo geral, ambientes secos, aerados (e, eventualmente, aquecidos) não impõe restrição à união de diferentes ligas metálicas. A figura 5 ilustra um caso de união de aço inoxidável com aço carbono pintado em um ambiente interior. Não haverá o desenvolvimento de corrosão galvânica.  

O tempo de exposição à determinada umidade e a resistividade do eletrólito são muito dependentes das condições locais. Em ambientes marinhos, industriais ou internos como as piscinas cobertas, p.ex, a probabilidade da ocor- rência da corrosão galvânica é significativamente maior que em condições mais brandas, como aquelas observadas nos ambientes rurais ou mesmo cidades médias a grandes (agressividade atmosférica classificada como C2 E C3 segundo a ISO 9223). A tabela 2 mostra a influência do ambiênte sobre a velocidade de corrosão do zinco,  com e sem contato com o aço inoxidável - um par galvânico normalmente considerado "perigoso". Podemos observar que a parcela  da corrosão proporcionada pela formação do par galvânico (isto é, a diferença entre as velocidades de corrosão entre componentes isolados e unidos) excede a da auto corrosão (isto é, a velocidade de corrosão do zinco sem qualquer contato com o aço inoxidável) em atmosferas marinhas e regiões sujeitas à forte deposição de sais marinhos.

 

Figura 5: Eletrólitos são, de modo geral, ausentes em ambientes internos aerados e aquecidos. A Combinação de ligas metálicas tais como aços inoxidáveis e aços carbono (pintado ou não) não envolvem riscos do  aparecimento da corrosão galvânica.  

 

Além do ambiente em si, detalhes de projeto desempenham um papel decisivo na proteção. Fatores que auxiliam a secagem rápida de películas de unidade (aeração adequada, prevenção de frestas, drenagem das águas, etc.) reduzem o risco da corrosão. Áreas permanentemente úmidas, contidas em frestas, áreas protegidas (mas contendo água estagnada) ou superfícies contendo resíduos, tais como terra, podem acelerar consideravelmente a corrosão galvânica.

A cinética das reações de eletrodo

A cinética das reações de eletrodo (entenda-se velocidade de corrosão) é sintetizada na Equação 3. Diferenças de potencial por vezes consideradas pequenas, como 100 mV, podem levar à corrosão, enquanto que ligas metálicas com diferenças de potencial consideravelmente mais elevadas (p.ex., 800 mV) podem ser unidas sem dificuldade. Porque isto acontece?

De fato, a diferença de potencial não fornece informação sobre a cinética da corrosão galvânica. A cinética da reação depende da liga metálica em particular. O titânio, por exemplo, permite que a reação de redução de oxigênio sobre sua superfície ocorra de modo muito mais lento do que sobre o cobre. Isto explica porque o aço carbono corrói mais rapidamente em contato com o cobre do que com o titânio, embora este último esteja situado no “limite” da série galvânica. Neste contexto, a formação de películas de corrosão desempenha um papel decisivo. Elas podem alterar significativamente o potencial de uma liga metálica e ser obstáculo à reação parcial anódica e/ou catódica.



 Fabio Domingos Pannoni

Bacharel em Química pelo Instituto de Química da USP, Mestre e Doutor em Engenharia Metalúrgica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Consultor Técnico da Gerdau Aços Brasil e do CBCA – Centro Brasileiro da Construção em Aço. Professor do Programa de Educação Continuada em Engenharia (PECE) da Escola Politécnica da USP. Possui duas patentes de aços e mais de sessenta artigos técnicos publicados no Brasil e no exterior. Autor e co-autor de quatro livros publicados. Recebeu oito prêmios de reconhecimento, dentre os quais se destacam o “Prêmio Jovem Cientista” (CNPq, Grupo Gerdau e Fundação Roberto Marinho), “Prêmio Governador do Estado” (Governo do Estado de São Paulo) e “Prêmio Talento Brasileiro” (FIESP). fabio.pannoni@gerdau.com.br  



 

A parte final deste artigo será publicada em nossa próxima edição.

 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com