Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 44
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Balcão
20/03/2014 11h01

 Balcão

 

Negócios nos trilhos

 

Como uma ex-bancária conseguiu assumir uma loja de algo tão diferente de sua função  

 

 

Em 1985 a bancária Marlene Bolosuavel – formada em Administração de Empresa e egressa do Banco Safra, onde trabalhou por uma década, se viu diante da necessidade de tocar sozinha um negócio completamente estranho. Na época o ex-marido deixou a direção de uma loja de fixadores, aberta um ano antes, e coube a ela assumir algo que seria totalmente desconhecido para muitos homens, quem dirá para uma mulher que que passou dez anos dentro de um banco.

Durante muito tempo a loja esteve num local de pequeno espaço, com problemas para estacionar carros e outras coisas comuns em uma cidade como São Paulo, onde sua atividade era exclusivamente na revenda de parafusos e similares.

Desde 2009 a realidade mudou. A atual sede no Parque São Domingos - entre as rodovias estaduais Anhanguera e Bandeirantes -, conta com 130 m², giro de 3 mil itens/mês, fácil acesso e com média de 50 clientes/dia só no balcão. Seus produtos se dividem entre ferramentas de aperto, de medição, abrasivos, brocas e outros, mas os parafusos são o carro-chefe. Isto acontece principalmente por causa do setor metro-ferroviário, que compra 50% da movimentação da Virofix, nome da combinação de Vitor e Rodrigo (filhos de Marlene) e a inicial de fixação. Negócios nos trilhos Como uma ex-bancária conseguiu assumir uma loja de algo tão diferente de sua função

“No começo tive o apoio de fornecedores dada minha incompreensão do que é um fixador. Dentre eles, vale destacar o diretor da Parlock, Boaventura Fiorentim e outros. Mas essa inexperiência foi compensada pelo meu conhecimento bancário-administrativo”, relembrou Marlene.

Com o trânsito nas metrópoles, o segmento metroferroviário está cada vez mais ativo, e a Virofix se especializou no fornecimento em várias etapas da construção e da reforma de trens, vagões e trólebus. Segundo a empresária a loja fornece “itens destinados a fixação de bancos, portas, pisos e outros, onde são muito comuns parafusos em inox ou com revestimentos Geomet, com destaque para os cabeça chata. Mas têm outros pontos como as partes elétricas, que é o caso do pantógrafo, dispositivo articulado situado na parte externa do carros, que faz a ligação com a rede elétrica, onde podem ser utilizados 42 tipos de parafusos. Atendemos, também, setores da eletrônica, além de outros que usam fixadores mais pesados, especificamente em perfurações de solo e construção”.

Marlene tem um companheiro full time, o uruguaio Jack Miguel Marticorena, atual marido, que responde pelo atendimento e pela parte técnica, dado seu conhecimento como ex-mecânico de aviões na Força Aérea de seu país de origem.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com