Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 45
Busca::..
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Ásia News
30/05/2014 02h46

 Ásia news

 

Fabricantes norte-americanas de fio-máquina fazem petição antidumping contra China  

Uma coalizão de cinco produtoras de algumas ligas para fio-máquina – formado por ArcelorMittal, Charter Steel, Evraz Rocky Mountain Steel (aka EVRAZ Pueblo), Gerdau Ameristeel e Keystone Consolidated Industries – foram acompanhadas pela Nucor Corporation no processo numa petição antidumping, onde teria havido deslealdade nas importações de fio-máquina da China, o que teria acarretado em prejuízos às indústrias locais, com margens de dumping na faixa nacional de 100 a 110%. As requerentes também entraram com uma petição de direitos de compensação, alegando que o governo chinês forneceu subsídios para esses produtores.

As petições foram apresentadas simultaneamente ao United States Department of Commerce e ao United States International Trade Commission (USITC). As petições foram uma resposta a grandes e crescentes volumes de importações com baixos preços de fio-máquina nos últimos três anos, que tem prejudicado as empresas nos EUA. Nos dois últimos anos essas importações foram de 144 tons, em 2011, para mais de 614 mil tons em 2013. China é hoje a maior fonte importadora dessa matéria-prima nos EUA, e as petições alegam que os asiáticos vêm causando prejuízos com preços injustamente baixos. Como resultado, a indústria nacional tem sofrido quedas de produção, vendas e de empregos, além de queda de rentabilidade. O documento afirma que os produtores chineses abrangidos pelas petições têm enorme capacidade de produção e representam uma constante ameaça para a saúde da indústria local. Se tudo for bem sucedidos, serão aplicados direitos de importação, compensando as práticas desleais que prejudicaram a indústria nacional.

Como resultado, o departamento de comércio norte-americano irá determinar se inicia o antidumping e os direitos compensatórios de investigações no prazo de 20 dias, e a USITC chegará a uma determinação preliminar de dano material, ou ameaça de dano material, em 45 dias. Todo o processo de investigação levará cerca de um ano, com as determinações finais de dumping, subvenções e lesão provável a ocorrer no início de 2015.  

Rússia  

Embora a Rússia tenha 2013 como um ano sombrio em seu desempenho econômico, sendo ela o segundo maior mercado dos fixadores chineses de fixação, essas exportações estão aumentado ao longo desses anos. Durante janeiro a novembro de 2013, o total de fixadores exportados da China para a a Rússia foi de 215 mil toneladas, acumulando mais de US$ 289 milhões. Espera-se que 2014 esses números continuem se elevando.  

Austrália  

Em termos de indústria de fixadores, a Austrália tem estado sempre entre os 10 melhores mercados para as exportações chinesas de parafusos, porcas, arruelas e similares. Durante janeiro/novembro de 2013, a China exportou 64 mil toneladas de intens de fixação para a Austrália, alcançando faturamento superior a US$ 125 milhões, estando hoje como o sexto maior mercado das exportações chinesas de fixação.  

Índia  

Entre janeiro a novembro de 2013, a Índia importou 51 mil toneladas de fixadores da China, uma compra de quase US$ 94,5 milhões, ficando no 11º lugar entre os países clientes da chamada China Continental. Ao final de 2014 só se esperam números maiores.  

 

Problemas no setor de galvanoplastia gera interrupções nas indústrias de fixadores de Taiwan

Não muito tempo atrás, a mídia taiwanesa já falava sobre a paralisação do Advanced Semiconductor Engineering Inc., com águas residuais não purificadas despejadas no rio, e este evento teria gerado paralisação da maioria das plantas industriais de galvanoplastia e decapagem, representando uma ameaça para as indústrias fixadores de Taiwan. A maioria das galvanoplastias de parafusos estão localizados ao sul de Taiwan e 80% deles pararam temporariamente, resultando em tão alta de 30% nos custos de galvanoplastia e de atrasos da expedição para 2 a 3 meses depois.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com