Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 45
Busca::..
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
30/05/2014 02h55

Persona

 

  Ser ou não ser fabricante no Brasil, eis a questão...  

 

Diretor de uma das maiores fábricas brasileiras de itens de fixação demonstra o efeito de uma política que sobretaxa a produção  


Ironicamente, o grupo político surgido no chão das fábricas nos anos 80, que hoje está no topo do Poder, é justamente o mesmo que assiste passivamente as vagas nas indústrias metalúrgicas desaparecerem.

Não é uma cena incomum assistirmos fabricantes de parafusos, ou qualquer outro item manufaturado, fechando suas portas ou com máquinas paradas porque a somatória de custos, que nada tem a ver com a cadeia de produção, inviabiliza que se produza no Brasil, restando poucas opções, como importar. Mas isso não ocorre somente na indústria manufatureira.

Exemplificado através da coluna da senadora Kátia Abreu, no jornal Folha de S. Paulo, ela demonstrou em fevereiro último que a política de produção local está na direção contrária do que é melhor para qualquer país. Segundo a autora, quando o grão verde de café é exportado para a China sua taxação alcança 8%. Se exportar o mesmo grão torrado a taxa sobe para 15% e se fizer dele café solúvel aí ele se eleva para inacreditáveis 34%.

Observando os dois exemplos de beneficiamento dos grãos, a insana taxação inviabiliza o “agregar valor”, fechando-se as portas de uma atividade que poderia demandar compras de máquinas e contratação de trabalhadores para os processos de torrefação e moagem. Mudando a conversa para o universo da produção de fixadores, que sofre com as altas taxas para produção, a cada dia ficamos mais obrigados a exercer uma atividade mista de fabricante e importador, e sob a permanente ameaça de ficarmos apenas com a segundo opção, compensando apenas revender, pois, nossa competitividade se afoga no mar tributário, logístico e trabalhista.

Resta-nos, então, aguardar que o governo chinês duplique a renda per capita de sua população, uma de suas metas que “poderá elevar seus custos internos”. Caso não, ficamos aqui na esperança que nossos governantes se atentem para a elevada taxação de produtos acabados a tempo, sob risco de acabarmos, com todo respeito, como “nuestros hermanos argentinos”.  

Ricardo Castelhano

Advogado, é diretor da Jomarca Industrial de Parafusos Ltda. ricardo@jomarca.com.br 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com