Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 45
Busca::..
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
30/05/2014 02h53

Entrevista

 

  Dr. Volker Lederer, presidente da European Fastener Distribution Association  

 

Segundo o executivo alemão, a EFDA não trabalha em busca de proteção, e sim de um comércio livre e justo  

 

Diretor administrativo de uma distribuidora de fixadores especializada em itens de inox, graduado e pós-graduado em Negócios e Comércio Exterior, o doutor Volker Lederer, 47, foi eleito presidente da EFDA em maio de 2012 no encontro trienal da entidade, em Paris. Recentemente ele esteve na Taiwan International Fastener Show, onde estabelecemos os primeiros contatos até esta entrevista

Revista do Parafuso: Quando e por onde ingressou no mercado de fixação?

Dr. Volker Lederer: Desde 1998 estou trabalhando para Lederer GmbH, uma distribuidora alemã especializada em fixadores de aço inoxidável e em gestão de inventários.

O que é a EFDA e quais as razões que levaram à sua criação? A EFDA, Associação Europeia dos Distribuidores de Fixadores, (www.efda-fastenerdistributors.org) foi criada há 13 anos com a missão de reforçar a posição dos distribuidores na Europa junto às autoridades europeias. Outro motivo foi a criação de um poderoso órgão de apoio à associação das indústrias europeias (*EIFI). O principal objetivo do EFDA, atualmente, tem sido a busca por um comércio livre e justo no continente europeu. Nós coordenamos e, coletivamente, respondemos aos desafios essenciais para nossos associados. Trabalhamos sobre as questões jurídicas e econômicas que permitem aos distribuidores europeus manter melhorar a competitividade.

Quem são e quantos membros vocês têm? Nosso quadro é composto de associações de diversos países. Entre eles o Reino Unido e a Irlanda (BIAFD), França (PRISMEFIX), Espanha (ADEFI), Holanda (NEVIB) e a Alemanha (FDS). Mais adiante temos membros da Escandinávia e Polônia sob a forma de organização chamada “More EFDA” (MEFDA). É uma entidade aberta, composta de empresas de nações europeias que não têm nenhuma entidade organizada dentro do setor de fixadores.  

Entre suas atividades estão workshops, palestras, cursos e outras formas de apoio ao setor? Nossa “força-tarefa” se reúne diversas vezes ao ano. Trata-se de um grupo que trabalha sobre assuntos de grande relevância à região, como procedimentos anti-dumping, instrumentos de defesa comercial e outros.

Nossa secretaria em Berlim, Alemanha, tem o dever de manter todos os membros atualizados sobre o andamento das questões legais que ocorrem em Bruxelas, Bélgica. Uma ou duas vezes por ano, organizamos uma reunião de todos os delegados de nossas associadas (Assembly of Delegates, AoD) visando coordenar as estratégias futuras. E por último, mas não menos importante, organizamos a cada três anos uma conferência para todos os membros das associações para informá-los sobre a EFDA, os resultados obtidos com nosso trabalho e as atividades futuras.

Sobre vendas por parte dos associados, qual a porcentagem de produtos provenientes da Ásia, Europa, América do Norte e do Sul? Em termos de valores, 25% dos elementos de fixação vendidos na Europa são provenientes da Ásia, 5% originários da América do Norte e do Sul e 70% da Europa (em vigor a partir de 2012).

Mas e sobre essa venda de importados, como se dividem os destinos desses fixadores? De toda a produção local e de importações cerca de 25 a 30% vão para a indústria automotiva. A construção e o aeroespacial consomem 20% cada. O restante vai para engenharia mecânica (10%) e outros (20%).

Ainda vale a pena produzir prendedores na Europa? Definitivamente ainda vale a pena produzir na Europa, sendo que os fabricantes europeus, muitas vezes, alienam alta competência em questões de qualidade e flexibilidade. A indústria europeia e seus distribuidores precisam de um forte apoio desses produtores domésticos para se manterem competitivos mundialmente. Enquanto eles continuarem investindo em máquinas, sistemas logísticos e seu capital humano, continuando os melhoramentos em serviços, eles se manterão como importantes players no mercado mundial. Mas uma coisa está clara: a produção em massa com baixo custo de fixadores standard cada vez mais se desloca da Europa para a Ásia.

Os avanços da produção na Ásia é algo momentâneo, ou a produção irá desaparecer dos países europeus?  Como mencionei antes, ambas as partes têm a sua relevância para os distribuidores europeus e para a indústria local. Mas, com certeza, a Ásia se tornará cada vez mais importante para a Europa. Os custos de produção em países asiáticos e, consequentemente, os preços são muito atraentes para os importadores daqui. Mas, novamente, os produtores europeus têm uma vantagem local que não vai desaparecer.

Alguns países como a Turquia ou países do Leste Europeu podem tornar-se base de produção? A Turquia já é uma forte base de produção e algumas nações do Leste Europeu, como a Polónia, também têm se tornando fortes na produção. Presumivelmente, esses países, e também em outros países do Leste, se tornarão mais forte no futuro próximo.

O que você sabe sobre o mercado brasileiro e sul-americano? O Brasil e a América do Sul são mercados crescentes para fixadores. Alguns distribuidores europeus abriram filiais na América do Sul para participar do atual cenário de crescimento econômico. Também para os produtores asiáticos o mercado sul-americano tornou-se mais atraente nos últimos anos. O crescimento dessas economias é esperado.

Gostaria de enviar uma mensagem para o mercado brasileiro? Na Europa, qualidade e serviço são termos-chave no negócio de fixador. Cada produtor e cada distribuidor deve levar estes termos em consideração. Como mencionei acima, a EFDA está trabalhando para um comércio livre e justo. No futuro, as associações de fixação de todo o mundo devem cooperar mais intensivamente para fazer o seu melhor e melhorar as condições do mercado global para a indústria de fixadores.

* EIFI, (Euroepan Industrial Fasteners Institute) Associação Continental das Indústrias Europeias, composta por associações de países vizinhos para promover e cuidar dos interesses econômicos, profissionais, técnicos e científicas dos seus membros.  

European Fastener Distributor Association

www.efda-fastenerdistributors.org

president@efda-fastenerdistributors.org

vlederer@lederer-online.com

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com