Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 45
Busca::..
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fique por Dentro
30/05/2014 02h54

Fique por dentro


Novidades em tecnologia. Quem diria, o Data Parafuso


Brincadeira com o desenvolvimento da tecnologia. Depois dos Smart Phones, dos Smart Watches, chegaramos Smart Parafusos. É isto, curiosamente.

A fábrica para montagem de motores GM em Tonawanda, New York, usa parafusos de identificação por rádio frequência – RFID –, monitorando as 50 fases de produção dos novos Small V8, 5ª. Geração. Sem diferença externa, têm, invaginada, pequena etiqueta RFID, com 2 kilobytes de informação, transmitidas por mini antenas, lidas nas estações de montagem do bloco e cabeçotes.

Exigências de qualidade, produtividade, inexistente margem a custos com recall, hoje problema sério para aindústria automobilística, deu caminho à General Motors para auditar o processo, prazo padronizando nos 29 passos de usinagem dos blocos, e 11 dos cabeçotes até juntar peças e fechar o motor.

Os data parafusos são escaneados ao fim de cada um dos processos para confirmar o êxito da operação e dos testes de vedação.

Cada motor é monitorado 50 vezes, permitindo ganhos e padronização de partes, excelência em processos e produtividade, pois qualquer falha é identificada na estação de trabalho e permite ao metalúrgico rastrear parte ou maquina defeituosos, autorizando imediata substituição. No sistema convencional só ao teste final em dinamômetro, por amostragem, pode-se perceber o problema. Aí, considerado o volume, será grande e caro.

Diz-se, não há risco do data parafuso transmitir à NSA, a grande agência de arapongagem dos EUA, dados de uso e circulação do veículo equipado com tal motor. São recolhidos ao final da montagem e reaproveitados. Diz-se. E neste assunto se diz muita coisa.


Roberto Nasser

Advogado especializado em indústria automobilística, atua em Brasília (DF) onde redige há ininterruptos 47 anos a coluna De Carro por Aí (www.portalmotorcar.com.br).

edita@rnasser.com.br

 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com