Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 17
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
30/08/2009 09h15

Formando equipes de alta performance

Comece mudando seus próprios conceitos sobre como criar e manter uma equipe de alta performance

"Quando venço, não sou eu quem vence. De certa forma, termino o trabalho de um grupo de pessoas" - Ayrton Senna


Conceito errado: o departamento de RH que deve contratar, treinar, apoiar e avaliar

A área de Recursos Humanos é o mais importante núcleo dentro do organograma de qualquer empresa. Esta nobre função deve ser vista como estratégica, e não operacional, como normalmente acontece. É comum presenciar situações onde o gerente de RH é chamado com urgência a sala da diretoria para discutir o perfil de um profissional para preencher uma vaga aberta.  Salvo situações de emergência, essa oportunidade de emprego é produto da falta de planejamento e visão de longo prazo. O processo é corrido, busca-se gente de fora da organização e depois reza-se para dar certo. O Recursos Humanos deve participar ativamente do planejamento estratégico da firma e se reportar diretamente ao CEO, e ponto final. Porém, deve ser de responsabilidade do líder de equipes, o acompanhamento da seleção e contratação de novos funcionários. Pelo menos 30% do tempo do chefe precisa ser alocado para esta função, que embora pareça de caráter operacional, tem verdadeiramente cunho estratégico. Se errar na contratação, o custo será alto para a empresa, começando pelos custos financeiros, passando pela destruição de departamentos e findando com clientes insatisfeitos.

Conceito errado: pessoas parecidas trabalham melhor em grupo

Inúmeros indivíduos ainda acreditam erroneamente que a uniformidade de pensamentos e as condutas padronizadas são as receitas para que as equipes fluam com tranquilidade. Com um novo mapa, precisamos de novas rotas, lembra disso? “Não resolvemos problemas utilizando o mesmo tipo de raciocínio quando os criamos” – Albert Einstein. Ter pessoas que trabalham em um grupo com diferentes origens, experiências, tipos de educação e de formação trazem questionamentos diversos sobre uma mesma questão, e isso traz novas soluções via novas rotas. Empresas em que seus líderes miram as diferentes “caras”, tornam-se naturalmente mais fortalecidas frente às mudanças causadas pela globalização, onde culturas tão distintas estão sendo obrigadas a conviver em um escritório ou em algum projeto visando um único objetivo.

Conceito errado: equipe boa é aquela que não tem conflito

Como já discutimos anteriormente, muitos líderes consideram o conflito nas equipes como prejudicial ao bom relacionamento e funcionamento das empresas. Os desentendimentos são vistos de forma negativa, como resultados do comportamento nocivo de alguns, sendo associados a agressividade e má índole. Na verdade, quanto mais competência tiver cada um dos membros da equipe, mais conflito terá que gerenciar. O líder de grupos com alta performance deve encarar a gestão de conflitos como a capacidade de prever tensões entre os membros, identificar as fontes de discórdia, dirimir seu crescimento e encontrar soluções satisfatórias para todas as partes envolvidas.

Conceito errado: a equipe não pode saber mais que eu

Este é o sentimento que muitos chefes têm quando trabalham com gente competente. Não querem demonstrar que sabem menos, não gostam de apoiar ideias inovadoras que venham de seus comandados, e principalmente, tem dificuldades em demonstrar que não sabe tudo. Diversos líderes preferem recrutar profissionais que saibam menos que eles ou que tenham pouco conhecimento sobre os negócios. Desta forma, eles reinam e sua palavra se tornar um dogma, uma lei, uma crença onde todos devem acreditar sem contestações.

Conceito errado: equipe de alta performance tem pessoas bem informadas

As pessoas estão confundindo informação com formação. Várias empresas ainda estão contratando pelo diploma, pelo currículo, mas prezam pouco pela formação do caráter e personalidade do candidato. Quando contratamos pelo currículo, estamos olhando pelo retrovisor, ou seja, pelo passado, histórico, o que já foi. Mas quando contratamos pelo potencial aliado a atitude, optamos por enxergar pelo párabrisa do carro. Se não for assim, corremos o risco de selecionar pelo currículo e demitir pela atitude.

Alexandre Freire é palestrante e professor da escola de Pós Graduação da Fundação Getúlio Vargas.

www.alexfreire.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com