Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 17
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
30/08/2009 09h00

Prezado leitor,

Quero relembrar, em uma rápida cronologia, a recente crise financeira, causadora da crise econômica mundial. Um pouco antes de 2006, quando a taxa de juros subiu de 1% para mais de 5% ao ano, o mercado imobiliário americano começou a apresentar problemas, onde os preços dos imóveis caíram, gerando aumento na inadimplência de mutuários tomadores de empréstimos através de hipotecas de alto risco, conhecidas como “subprimes”. Vários foram os acontecimentos neste período, até que em julho de 2008, as autoridades finaceiras abriram os cofres para socorrer os gigantes do setor de hipotecas: o Fannie Mae e o Freddie Mac, estatizando-os em setembro do mesmo ano, algo antes “impensável” para o país de Milton Friedman (ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1976 e árduo defensor do liberalismo econômico).

Segundo Friedman, um governo deve se ater apenas em três funções básicas: 1º - na defesa nacional; 2º - no Poder Judiciário, e 3º - na defesa da propriedade privada. Nas demais funções o mercado “resolve sozinho e bem melhor”. O problema é que o Fannie Mae e Freddie Mac eram responsáveis por quase metade das hipotecas americanas, com mais de US$ 5 trilhões em financiamentos, cerca de três vezes o PIB brasileiro. A situação já ia mal, afetando a Europa e Ásia, as instituições e a “confiança de cada agente”, seja ele pequeno, médio ou grande. As taxas de desemprego nos Estados Unidos, por exemplo, atingiam números vistos na crise de 1929, e após a segunda guerra. Aí veio o capítulo “Lehman Brothers”, o quarto maior banco de investimentos dos Estados Unidos (com mais de 10 mil funcionários) que, depois de buscar um comprador, faliu e foi vendido em partes, para o banco inglês Barclays.

Enfim, foram “diversas chuvas e trovoadas”, antes, durante e depois, incluindo outros gigantes como o Merrill Lynch, AIG, Washington Mutual (WaMu), que se espalhou e causou, aqui no Brasil, o pior primeiro semestre na indústria desde 1975, além dos estragos já no final de 2008, afetando todos os setores da economia; um puxando o outro para baixo. Hoje, podemos acreditar que o pior já passou, até porque temos uma retomada da “confiança” (palavra muito exaltada pelo ex-ministro Delfim Neto), algo essencial em tudo: na economia, no trabalho, na saúde, no lar etc. Nesta edição, marcada pelo alívio, queremos reafirmar o nosso otimismo com a economia e o País. Mas o que aconteceu foi realmente sério e nos ensinou bastante, pelo menos para quem reconhece na prática a importância em aprender, sempre.


Boa leitura
Sérgio Milatias

milatias@revistadoparafuso.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com