Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 17
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Panorama
30/08/2009 01h29

Setembro de 2008: Os efeitos sobre a produção industrial

Passado o pior, indicador do Ipea mostra o "estrago" no setor de autoveículos



Como mencionado no editorial desta edição, o mês de setembro de 2008 marcou o início de todo o processo que gerou a crise no sistema financeiro internacional. Entretanto, um ano depois, o cenário já é melhor em todos os ângulos (o que não quer dizer que tudo voltou ao que era), mas vamos ser otimistas e apostar que tudo é uma questão de tempo para que as empresas e funcionários voltem a produzir “a todo vapor”.

O Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – divulgou no fim de agosto, um relatório apontando uma queda de 10,7% da produção industrial de julho de 2009, na comparação com o mesmo mês de 2008. O destaque negativo ficou por conta do setor de autoveículos que, após dois meses consecutivos de crescimento, recuou 1,0% na passagem de junho a julho. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a queda no setor de autoveículos foi de 11,5%, a décima seguida, desde o agravamento da crise internacional, em setembro último. A queda de 1,0% foi inesperada, pois os estoques haviam se reduzido, com volume de vendas recorde em junho. Em julho, as vendas de veículos no mercado doméstico também caíram, totalizando 285.406 unidades.

Dentre os 27 ramos pesquisados, 13 apresentaram variação positiva. Apesar deste resultado, a sexta alta consecutiva, a indústria encerrou o primeiro semestre de 2009 com recuo de 13,4% na comparação com o mesmoperíodo do ano anterior. Os destaques positivos foram a indústria extrativa – avanço de 5,3% – e o setor de bens de capital, com crescimento pelo terceiro mês seguido. Com este último saldo (2,1%), o setor acumulou avanço de 5,5% no trimestre encerrado em junho. Já a categoria de bens de consumo semi e não duráveis, caiu 2,6% em relação a maio, o primeiro resultado negativo desde janeiro.

Na comparação interanual, todas as categorias voltaram a registrar queda. O pior, mais uma vez, foi registrado na produção de bens de capital, com retração de 22,8% em relação a junho de 2008. O fluxo de veículos pesados em rodovias voltou a retrair na série com ajuste sazonal, caindo 1,0% ante junho. Este foi o segundo resultado negativo consecutivo do setor, nesta base de comparação.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com