Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 38
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fique por Dentro
14/03/2013 10h56

FIQUE POR DENTRO

 
Fixadores aeroespaciais da Alcoa compõem robô Curiosity da NASA
 
 
Foram utilizados fixadores de Inconel 718 e porcas hexagonais capazes de suportar até 650ºC
 
 
 
A Alcoa participou recentemente de mais um avanço da exploração espacial. A empresa fez parte da produção do veículo Curiosity (curiosidade) da NASA, que pousou em Marte no mês de agosto dando início a uma missão de dois anos que marca uma nova era na exploração do Planeta Vermelho. O robô é do tamanho de um carro, possui seis rodas e feito quase totalmente de alumínio, o que o torna extremamente leve, durável e rápido. Sua estrutura inclui fixadores aeroespaciais de precisão altamente resistentes, fabricados pela Divisão de Sistemas de Fixação Alcoa na Califórnia, EUA.
 
Foram utilizados na construção do veículo fixadores de Inconel 718 - uma super liga de níquelcromo - e porcas hexagonais comuns produzidas nas instalações em Newbury Park e inserções (rosqueadores internos) Keensert desenvolvidas na fábrica de Torrance, ambas nos Estados Unidos. Tanto os fixadores de Inconel 718 como as porcas hexagonais são capazes de suportar temperaturas de até 1.200 graus Fahrenheit (650 graus Celsius). Além disso, os fixadores também possuem excelentes propriedades de resistência a temperaturas elevadas, o que os torna ideais para naves espaciais, motores de foguetes e turbinas.
 
“Os funcionários da Alcoa devem se orgulhar da nossa contribuição para este marco na história da humanidade”, afirma o presidente e CEO mundial da Alcoa, Klaus Kleinfeld. “De Kitty Hawk (cidade dos EUA onde os irmãos Wright realizaram o primeiro voo controlado, em 1903) para Marte e além, as soluções da Alcoa ajudam a moldar cada grande avanço na aviação. Mais de 90% das ligas aeroespaciais em uso hoje foram inventadas pela empresa e os nossos fixadores, peças forjadas e outros produtos, podem ser encontrados em praticamente qualquer máquina que voa”, completa.
 
Ainda este ano, a Alcoa anunciou uma expansão da capacidade de produção de alumíniolítio em três locais ao redor do mundo para atender à demanda crescente, no mercado aeroespacial, de suas mais novas ligas, que proporcionam bom desempenho em termos de resistência por peso, combinado com melhor rigidez e resistência à corrosão.
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com