Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 38
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
14/03/2013 10h58

 Entrevista

 
Mário Tanigawa apresenta o Parque Tecnológico de Sorocaba - PTS
 
 
Iniciativa do Poder Público de Sorocaba, parque surge para agregar universidades e empresas de qualquer parte do mundo para promover pesquisas e negócios em tecnologia e inovação
 
Mário Tanigawa é graduado como Engenheiro Eletricista e atuou em grandes empresas nacionais e multinacionais, tais como Cobrasma S.A., Hitachi Zosen Metalmecânica, Mitsubishi Corporation e Nipro Medical Corporation. Na Hitachi Zosen exerceu a função de Diretor Industrial e na Nipro Medical a de Diretor Presidente. De outubro de 2009 a dezembro de 2012, atuou como Secretário de Desenvolvimento Econômico de Sorocaba e agora está à frente da EMPTS – Empresa Municipal Parque Tecnológico de Sorocaba, que administra todo o centro de tecnologia.
 
Revista do Parafuso - O que é o Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS)?
 
Mário Tanigawa – O Parque Tecnológico de Sorocaba é um ambiente criado para atrair e acomodar empresas intensivas em tecnologia, instituições de ensino e pesquisa, assim como empresas de consultoria ou organizações, públicas e/ou privadas, que possam oferecer serviços de apoio técnico e de mercado. É um grande centro de desenvolvimento de negócios tecnológicos que terá como objetivo final a transformação dos conhecimentos em riquezas. Desta forma, o PTS facilitará, às partes interessadas, o acesso ao conhecimento bem como ao mercado pela aproximação com possíveis desenvolvimentos e inovação tecnológica assim como oportunidades comerciais, em nível nacional e internacional.
 
Como ele surgiu e quando?
 
O projeto do Parque Tecnológico de Sorocaba é uma iniciativa do Poder Público Municipal e possui um conceito inovador de reunir em um único local várias universidades do Brasil e do mundo e também as empresas e instituições de pesquisas. Em 2007, foi inaugurado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Prefeitura de Sorocoba o Podi – Polo de 
Desenvolvimento e Inovação - que foi o responsável por todo o projeto do PTS. Juntamente com a criação, em 2011, da Lei Municipal da Inovação e da EMPTS - Empresa Municipal Parque Tecnológico de Sorocaba, administradora responsável, o parque pode ser inaugurado em junho de 2012.
 
Qual o objetivo da implantação?
 
O objetivo é desenvolver novas tecnologias, pesquisas, desenvolvimento e inovação por entre os setores governamentais, acadêmico e privado. No Brasil, esta integração entre as áreas não é suficiente. Por isso, pensamos em um ambiente que promova conexões entre empresas e pesquisadores para que eles possam criar e desenvolver trabalhos da melhor forma possível. Outra vertente trabalhada é fazer com que as pesquisas se tornem patentes, pois se tornando produtos geram riqueza. E o conhecimento para ser transformado em riqueza precisa de uma estrutura. É isso que o município está promovendo.
 
Como funciona o modelo de gestão do parque?
 
O parque possui um Conselho de Administração, que fazem parte autoridades como o prefeito, presidente do EMPTS, 4 secretarias e 3 representantes da sociedade civil, um Conselho Fiscal, e a Presidência que comanda as diretorias administrativa, jurídica e de operações técnicas. O nosso modelo de gestão é diferenciado de outros parques do Brasil e do mundo pois uma empresa pública (EMPTS) é responsável pela gestão executiva, porém foram criadas duas organizações sociais para gerenciar outras diretrizes. A Inova - agência de inovação que fará a conexão dos projetos das empresas e universidades; e a Intes, incubadora, que tem como missão receber pessoas e pesquisadores que querem iniciar uma atividade de pesquisa para tornar negócio. Ficará na gestão de start-ups e projetos que precisem de assistência para serem realizados.
 
Quais são as atividades?
 
Temos como missão prover e gerir um ambiente de excelência para o desenvolvimento da ciência e tecnologia, estimular a cultura da inovação e a sinergia entre instituições de ensino e pesquisa, empresas, governos e entidades de fomento e investimento. O PTS tem compromisso com: Inovação; Sinergia; Sustentabilidade; Empreendedorismo; Socioambiental; Eficiência; Visibilidade; Reconhecimento; Criatividade. Ainda, estimulamos o desenvolvimento de atividades de incubação de empresas com o intuito de auxiliar os empreendedores a criar e implementar negócios, impactando de forma importante o desenvolvimento local/regional.
 
 
 
Qual a estrutura oferecida para as empresas e universidades?
 
Possui uma área de aproximadamente 330.000 m² para laboratórios de pesquisas de Ensino Superior e 660.000 m² para laboratórios de pesquisa e desenvolvimento de Empresas e Instituições de Pesquisas. Cada uma poderá ter o seu laboratório tanto nos espaços/lotes oferecidos pelo PTS, que variam de 1.200 a 3.000 m², quanto poderão aproveitar o espaço já construído dentro do complexo para a sua instalação. Também oferecemos duas salas de conferência para 200 pessoas e auditório para 550 pessoas, onde iremos promover eventos e encontros para beneficiar os setores de tecnologia. A intenção no formato circular da nossa estrutura simboliza a união, a interação social e integração entre os setores. Criamos este ambiente com o intuito de conectar as pessoas, para que elas se conheçam, conversem e alinhem as necessidades de cada uma com o know how dos pesquisadores e empresas que estarão aqui. Ainda, abrigamos dentro do PTS o Parque da Biodiversidade, que é uma área de 633.895 m² preservada por nós com o intuito de promover a sustentabilidade, não só econômica mas também ambiental. Esta área será aberta ao público em breve.
 
Algumas empresas já estão instaladas no parque?
 
Sim. Do total de 1.945 m² disponíveis para Laboratórios no Núcleo, 70% já estão ocupados. As empresas que estão sendo instaladas no complexo são: Greenworks, FIT, Bardella, Metso, Cesar - Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, BS Automação, IQA - Instituto de Qualidade Automotiva; e também as universidades Unesp – Campus Sorocaba, Ufscar – Campus Sorocaba, Fatec Sorocaba e a PUC-SP.
 
Quais áreas de atuação o parque promove as pesquisas?
 
São cinco atividades consideradas como base, calculadas de acordo com o número de indústrias e as atividades promovidas dentro do município. São elas:
 
Metal-Mecânica - Processos de deformação plástica, soldadura, fundição, usinagem, propriedade dos materiais e fenômenos de resistência.
 
Eletro-Eletrônica - Automação, Componentes e Equipamentos Industriais; Material de instalação Elétrica; Telecomunicações; Sistemas Eletroeletrônicos.
 
Energias alternativas - Diversificar a matriz energética buscando fontes limpas e renováveis como energia solar, eólica, biomassa e hidráulica.
 
Automotiva - Desenvolvimento e melhoria da eficiência, produtividade e qualidade da produção automotiva, incluindo autopeças e montadoras.
 
TIC - Tecnologias integradas de automação e comunicação de processos e negócios, indústria de softwares e hardware.
 
Existem projetos similares a este parque?
 
De acordo com a ANPROTEC, Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores, possuímos no Brasil cerca de 74 projetos de parques tecnológicos e 22 em operação. A maioria deles nasceu vinculada à uma única universidade ou, quando muito, em função somente de algumas Universidades locais. Isso não aconteceu com o PTS.
 
Além de ser uma proposta única de parque, somos membros da IASP - International Association of Science Parks e registrados no SPTec - Sistema Paulista de Parques Tecnológicos, onde existem apenas três parques registrados no estado: o de São José dos Campos, aqui em Sorocaba e outro em Ribeirão Preto. Ainda, somos o terceiro município do país a possui a lei de inovação (o primeiro em São Paulo), ficando atrás de Santa Maria/RS e de Vitória/ES.
 
Quais as expectativas e os planos para o futuro?
 
Dentro de cinco anos, queremos chegar num equilíbrio. Hoje dependemos financeiramente do município. Com a entrada das empresas e universidades, teremos futuramente receita própria para que diminua cada vez mais essa dependência. Em 10 anos, queremos preencher todo o espaço do parque.
 
Ainda, pretendemos promover cada vez mais encontros que promovam essa interação tecnológica. No segundo semestre de 2012, sediamos aqui a 1ª conferência internacional de inovação em parques tecnológicos, a CONINTEC, que contou com 9 palestrantes internacionais, 48 expositores e mais de 2.114 participantes inscritos. Pretendemos continuar esse tipo de ação em duas modalidades daqui pra frente: uma internacional e outra regional.
 
Que tipo de contribuição podemos esperar do PTS para o mercado de fixação e também para o setor industrial?
 
Sofremos muita competição em relação aos produtos importados. Há 40 anos, o brasileiro consumia não mais que 5 % de produtos e insumos de fora. Hoje, já ultrapassou a margem de 25 %. Temos que fazer algo para que as indústrias brasileiras não deixem de perder a competitividade com os importados.
 
O que acontece é que estamos importando e deixando de consumir o que é feito no país. Dando total suporte para as pequenas e médias empresas - para que melhorem a sua gestão, produtos, qualidade, produtividade – podemos torná-la competitiva para o mercado. Temos que desenvolver mais a indústria nacional para que cada vez mais ela produza produto de valor agregado, em vez de exportar as commodities. Assim começaremos a proteger nosso mercado. E o nosso papel é criar um ambiente para que as empresas tenham condições de desenvolver suas inovações.
 
Mário Tanigawa
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com