Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 38
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Pela Ásia
14/03/2013 10h48

Pela Ásia

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A fabricante japonesa Osaka Forming lança um novo tipo de porca com zero ângulo de afrouxamento
 
 
 
Trata-se de um novo tipo de porca flange chamada E-Lock Smart Nut, certificada com “zero ângulo de afrouxamento” pelo laboratório de testes de vibração industrial do Centro Industrial de Pesquisa, da província de Shiga, Japão. Na porca, a área interna recebeu um tratamento especial para eliminar completamente as lacunas de afrouxamentos. Seu preço é 30% superior que as porcas similares.
 
Uma parte não rosqueada permanece no lado da flange, mantendo distância a partir de um para-fuso. Este desenho dissipará o stress sobre o parafuso eliminando deste modo as sobrecargas na sua cabeça quando fixado, bem como a estabilização do torque na remoção. Além disso, uma mola lubrificada, especialmente inserida na parte superior da porca, impede o afrouxamento. Embora existam no mercado outros produtos antiafrouxamento, E-Lock Smart Nut já está sendo produzida em massa devido a pedidos específicos de clientes em busca de “zero afrouxamento ângulo” em porcas.
 
 
Mercado de autopeças da China terá crescimento acima de 20% nos próximos 5 anos
 
 
Segundo a China Association of Automobile Manufacturers (CAAM), o mercado local está ultrapassando os 15 milhões de autos. No entanto, essa rápida expansão está chegando ao fim, ou seja, o gigante asiático está entrando numa era de crescimento menor. Mas é bom observar que ainda se trata de um grande mercado. 
 
Chien-Ping Don, vice-secretário da CAAM, disse que o segmento de autopeças alcançou, em 2012, valores acima de US$ 230 bilhões, que indica um crescimento de 15,5% em comparação a 2011. Porém, em 2011 este crescimento foi de 23%, o que faz este setor ser maior que a média geral das indústrias, que cresce 12,6% ao ano. Não só a produção completa de veículos acelera o desenvolvimento da indústria de peças, mas o crescente número em estoque pode abrir um enorme mercado de pós-venda. “No futuro próximo, a indústria de fixadores automotivos se manterá num rápido crescimento”, finalizou o executivo.
 
Desconto para exportação de fixadores da China pode voltar a 13%
 
Há rumores de que a Federação das Indústrias de Máquinas da China apresentou uma proposta para o seu Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação visando um ajuste do atual desconto de 5% para 13% em produtos destinados à exportação. A indústria local de fixadores está estagnada e em uma tendência de queda e, especialmente em 2012, as exportações foram reduzidas em volume e preço, corroendo ainda mais o
lucro dos fabricantes.
 
 
Montadoras chinesas lançam fábricas no Brasil
  
Devido a expansão no mercado brasileiro, montadoras chinesas investem na criação de fábricas locais. Espera-se que a produção seja lançada em 2014, onde a capacidade de produção atingirá 10 mil unidades que seriam vendidas para o Brasil, Argentina e Venezuela. Segundo as estatísticas, a produção automotiva alcançou 3,6 milhões de unidades em 2011, colocando o Brasil em quinto lugar no mundo, após a China, EUA, Europa e Japão. Estima-se que a produção irá aumentar para 5 milhões de unidades em 2018, e o Brasil se tornará o terceiro maior mercado automobilístico, depois da China e os EUA.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com