Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 38
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
14/03/2013 11h00

Editorial

 

Aberta a temporada de caça aos monstrengos
 
 
Se as nossas casas pegam fogo é natural sermos socorridos pelos bombeiros. Para existência e disponibilidade deste serviço para a sociedade são necessários recursos materiais, entre eles os salários dos seus membros. Sob este exemplo, lembramos-nos da importância vital do pagamento de impostos às autoridades públicas, afinal este dinheiro é o que faz existir serviços como este.
 
Tudo bem que esta introdução parece mera obviedade, mas os textos desta seção, ao longo do tempo, sempre criticaram o mau uso dos recursos públicos, os exageros na carga tributária e os efeitos nefastos para a sociedade e o próprio governo, porém jamais questionou sua indispensável existência.
 
Falando dos governos no Brasil, eles foram criando impostos que podemos até acreditar que alguém ali tinha boas intenções. Exemplo disso foi a CPMF, criada para “solucionar problemas na área da Saúde”, que logo se revelou um monstrengo.
 
Os monstrengos nascem assim: um grupo traz uma “boa ideia”. Quando ela é colocada em prática descobre-se que alguns de seus efeitos tornam as coisas piores do que estavam. Um exemplo disso ocorreu num país vizinho ao nosso, cerca de quatro anos atrás, onde próximo ao aeroporto havia muitas residências habitadas, mas inacabadas. Um grupo de jornalistas que acompanhava uma equipe brasileira de futebol, que iria jogar ali, notou a situação das residências e descobriu que o governo local, na melhor das intenções, criou um imposto para onerar proprietários de casas desde que elas estivessem prontas. Portanto, acabamento, nem pensar. Todos perderam.
 
Quando este texto foi escrito, haviam sido anunciadas novas desonerações pelo governo federal, que pode não ser a temporada de caça que intitula esta seção, mas já é um sinal positivo. Viva.
 
Ainda sobre os textos aqui publicados, alguns deles trouxeram a influência da obra “O Príncipe”, o mais famoso livro de Nicolau Maquiavel, que completa 500 anos em 2013. Para aqueles que ainda não conhecem esta obra, não se assustem com os cinco séculos de sua criação, pois ele é bem atual.
 
 
Boa leitura!
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com