Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 35
Busca::..
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos - Roberto Garcia
24/10/2012 03h14

 ARTIGOS

 

Pode o parafuso ser considerado uma instituição física e matemática?

Parte I de II

 

 Dr. Roberto Garcia aborda, em primeira mão, o tema que será apresentado no simpósio da Fastener Fair Brasil 2012

 

 O presente artigo, que será desenvolvido em duas edições, tem por finalidade apresentar o Parafuso, um dos mais utilizados elementos de fixação, de uma maneira diferenciada, isto é, dando (ou agregando) um valor que nem sempre lhe é reconhecido.

É necessário uma pequena introdução, relembrando do significado de classe de resistência e, como os dados a serem apresentados se referem a um Parafuso em particular, Parafuso de Cabeçote – Motor Diesel. Exemplificação para uma classe de resistência igual a 12.9:

 

 

 

 

 

 

 

 

Os valores acima de LRT e LE são nominais enão refletem a Capacidade de Geração de Força de um Parafuso. Para o Parafuso de Cabeçote em questão, um M12 × 1,75, a área resistiva é da ordem de 84,42 mm2, assim sendo, é possível transformar os valoresde MPa em kN, os quais são iguais a 101,3 e 91,2 kN, para LRT e LE, respectivamente.

Infelizmente estes valores se referem a esforços axiais. Na figura 1 temos uma demonstração de como estes valores (LRT e LE) são determinados.

 


Esforço Axial

 


Figura 1 - Equipamento e dispositivo para a determinação  do Limite de Resistência a Tração (LRT) e Limite de Escoamento (LE), ressaltando o esforço axial.

 

Para um Parafuso, temos o Esforço Combinado, ou seja, no processo de aperto, o Parafuso sofre simultaneamente esforços axiais e torsionais, como mostrado na figura 2.

 


Esforço Combinado

 

 

 

 

Figura 2 - Equipamento e dispositivo para a determinação das propriedades de um Parafuso, ressaltando o esforço combinado (axial e torsional).
 


 

 Assim sendo, se faz necessário considerar uma outra variável, o µG, coefi ciente de atrito de rosca, que afeta o rendimento de modo inversamente proporcional, isto é, quanto menor µG maior será o rendimento.Se considerarmos valores de µG entre 0,08 e 0,12e a equação (Eq. 1) apresentada abaixo, o rendimento será da ordem de 88,65 e 82,31 %, respectivamente.

 

Para se ter uma idéia da importância do coeficiente de atrito de rosca, se µG for igual a 0,06, o menor valor real possível, para este Parafuso M12 × 1,75 o máximo rendimento será da ordem de 91,60 %.

A especificação ISO 898 Parte 1, que rege as propriedades dos elementos de fixação, indica uma faixa de LRT e LE, mínimo e máximo. Para a classe de resistência 12.9, apenas os valores mínimos são requeridos e são respectivamente iguais a 1.220 e 1.100 MPa.

Considerando o Esforço Combinado, a Capacidadede Geração de Força do Parafuso de Cabeçote 12.9 e o coeficiente de atrito de rosca variando entre 0,08=µG=0,12, a Força máxima estará compreendida entre 84,8 e 91,3 kN. Para escoar (‘Yield Point’) este Parafuso, a Força mínima será de 76,4 e a máxima de 82,3 kN.

Na condição real, ou seja, levando em consideração o conceito de esforço combinado, a faixa mínima especificada pela ISO 898 Parte 1 e os valores citados (usuais) de µG, a Capacidade de Geração de Força deste Parafuso de Cabeçote fica restrita aos valores mínimos de 76,4 kN para escoar e 84,8 kN para a ruptura.

Na figura 3 apresentamos uma esquematização do que ocorre quando apertamos um Parafuso, mostrando os valores citados acima e delineando as diversas regiões presentes no fenômeno, como o regime elástico, a zona elasto-plástica, e a região plástica.

Através da coleta de dados, utilizando o equipamento mostrado na figura 2, “DTT” – Determinação de Torque – Tensão, e de uma análise criteriosa dos valores experimentais aplicando a metodologia desenvolvida em[1], foi possível explicitar algumas características do Parafuso, muito importantes quando se sabe a sua finalidade primeira, ou seja, sua aplicação. Além do “Yield Point” e da Força máxima, outros parâmetros que são vitais para o conhecimento dos limites do elemento de fixação, bem como da Junta propriamente dita, tais como o Ângulo de  Ductilidade, o Gradiente Específico de Força (ß, expressoem kN/grau), a Resiliência, a Força obtida quando se avança 45 graus na zona elasto-plástica do Parafuso, aqui denominada ZEP_45, também são determinados. Na Figura 4 temos um exemplo de todos os parâmetros acima citados. Esta curva “Força × Ângulo de Aperto”pode ser considerada como uma impressão digital do Parafuso, uma espécie de ‘DNA’ do elemento de fixação.

 

Agradecimentos

 

O presente trabalho teve o suporte incondicional dos Srs. Lindolfo Pascutti e Avadis Rocha de Jesus e sem a dedicação e a intensa colaboração dos Srs. Diego Fernando Andretta Cruz, Robson Silva Bussoloti e Wanilto dos Santos, o mesmo seria apenas uma possibilidade e não uma realidade.

[1] Barrozo,S.; Garcia, R. Witzler, M.J. Anais do I Congresso de Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade, Brusque (SC), 2010. Disponível em sites.unifebe.edu.br/congressoits2010/artigos/artigos.php

A parte final deste artigo será publicada em nossa próxima edição.

Dr. Roberto Garcia

Consultor técnico, bacharel em química, mestre edoutor em físico-química pela UNESP (Universidade EstadualPaulista).

roberto.2.garcia@gmail.com

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com