Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 35
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos - Mascos Dias Neves
24/10/2012 03h13

Artigos

 

 O que é Magnatest®?

Parte I de II

 

O técnico em Eletromecânica, Marcos Dias Neves, apresenta artigo sobre o Magnatest, equipamento eletrônico utilizado no controle de qualidade

 


O Magnatest® é um equipamento eletrônico utilizado no controle de qualidade, garantindo que não haja mistura de matéria prima e também no domínio da dureza do material submetido ao tratamento térmico.

O uso desse equipamento na indústria de parafusos é cada vez mais solicitado devido às exigências atuais de qualidade e segurança. Na verdade, ele sempre foi utilizado, mas algumas empresas esqueceram-no e na rotatividade de funcionários os ensinamentos foram perdidos.

O nome Magnatest® é uma marca registrada do Institut Dr. Förster, da Alemanha, e ficou conhecido como um produto de referência, ocasionando uma confusão entre o produto e marca, tal como ocorre hoje com a palha de aço e a marca Bombril ou com a lâmina de barbear Gillete. Para que não haja este tipo de conflito, falaremos doravante de Equipamento para Separação de Materiais por Correntes Parasitas.

Na edição 17 da Revista do Parafuso (Artigo “Ensaios não destrutivos: uma visão geral”, Ago./Set.2009, p.18-23) falamos um pouco de Ensaios Não Destrutivos (END), dando uma visão deles e suas vertentes: partículas magnéticas, líquidos penetrantes, ultrassonografia, raio-x e correntes parasitas. Nesta edição, falaremos apenas sobre Correntes Parasitas e, em especial, o Uso do Aparelho para Separação de Materiais por Correntes Parasitas.

Qual é o princípio de funcionamento de um aparelho para separação de materiais por correntes parasitas?

Todo equipamento que funciona pelo princípio de correntes parasitas se baseia no fenômeno das perdas de correntes de Foucault, descobertas por Jean Bernard Leon Foucault, também chamadas em outras línguas de: Eddy Current (em inglês) e Wirbelströme (em alemão). Este fenômeno causa uma perda de corrente de um circuito elétrico, por isso chamado de parasitas, pois este “rouba” parte da corrente elétrica do circuito.

Um condutor elétrico, quando estiver conduzindo corrente elétrica, gera em torno deste um campo eletromagnético, como se fossem aneis invisíveis de linhas de campo magnético e no sentido da “regra da mão direita”.

Na figura A, o sentido da corrente elétrica está para baixo, conforme indica o dedo polegar, e as linhas de campo eletromagnético estão no sentido de rotação dos demais dedos.

Na figura B, quando se inverte o sentido da corrente, também fica invertido o sentido das linhas de campo eletromagnético.

Invertendo-se a corrente elétrica várias vezes por segundo, ou alternando seu sentido em função do tempo, temos um campo eletromagnético alternado capaz de gerar correntes parasitas.

 

 

O que ocorre se colocarmos um pedaço de metal que intersecciona as linhas de campo magnético alternado?

Se colocarmos um pedaço de metal cortando as linhas de campo magnético alternado, induzirá dentro do material, pelo princípio da indução eletromagnética, também correntes elétricas. Estas correntes geradas acabam entrando em curto-circuito dentro do material, causando aquecimento e o consumo da corrente elétrica do condutor principal.

Essas correntes, vantajosas em alguns casos, são nocivas em muitos outros, porque podem acarretar grande dissipação de energia e, sobretudo, porque elevam a temperatura das peças metálicas (dentro das quais se originam) ocasionando, por vezes, a destruiçãode partes de aparelhos. Daí, também, o princípio das máquinas de têmpera por indução.

Na figura C mostramos uma máquina de têmpera por indução, na qual as correntes parasitas são geradas na peça, aquecendo-a (resultado desejável).

 

Na figura D mostramos chapas laminadas de ferro-silício usadas em transformadores. Neste caso, as correntes parasitas são indesejáveis, pois “roubam” correntes elétricas. Por isso o núcleo é laminado, sendo as chapas isoladas eletricamente entre si para bloquear as correntes induzidas dentro do material.

 

 

 

 

No exemplo das figuras A e B somente mostramos um condutor singelo, mas para gerar campo magnético suficiente é necessário um campo de maior intensidade. Por isso, vamos multiplicar as linhas de campo com o número de condutores ou, poderemos também,fazer com que o mesmo condutor passe várias vezes pelo local. Vamos fazer uma bobina de fios ou um solenóide.

Na figura E representamos uma bobina de fios onde o campo eletromagnético de uma espiral é somado com o da próxima, gerando um campo único.

 

Como salientado anteriormente, para gerar correntes parasitas é necessário que a corrente elétrica aplicada seja alternada para também originar campo magnético alternado, ou seja, que este campo seja positivo-negativo alternando-se no tempo.

 

 

 

Na figura F vemos uma onda elétrica senoidal com apenas um período (T). A freqüência em que o período se repete num intervalo de um segundo chamamos de Hertz ou Ciclo. Guarde bem o conceito de Hertz (Hz), pois será muito útil para o ensaio. Lembre-se, também, que 1.000Hz é igual à 1Khz (kilo hertz) e que 1.000.000Hz é igual à 1Mhz (megahertz).

 

 

Como utilizar as correntes parasitas para inspeção demateriais?

Os ensaios por correntes parasitas possibilitam - além de detectar trincas ou fissuras em materiais – determinar certas características físicas tais como: condutividade elétrica do material, espessura da camada de tintas ou anodização, assim como a diferenciação de metais quanto à composição química, dureza, microestrutura, tratamento térmico etc. Este último item é o que nos interessa, por ora.

Como dito nos ensinamentos teóricos acima, as correntes parasitas “roubam” ou perturbam a corrente elétrica de um circuito. Esta perturbação varia de acordocom o material imerso no campo eletromagnético e pode ser medida comparando a corrente elétrica perturbada por uma peça em relação à outra.

Materiais com ligas diferentes causarão perturbações diferentes, assim como a dureza, a estrutura metalúrgica, entre outras. Qualquer característica física do material causará perturbação diferente. Esta característicadas correntes parasitas é que nos interessa.

Na figura E mostramos apenas uma bobina, mas no ensaio por correntes parasitas podem ser utilizadas várias formas de bobinas, tais como: bobinas simples, duplas, reflexivas, tanto nas configurações absoluta como diferencial.

 

A figura G é uma bobina com enrolamento duplo. O enrolamento primário (bobina A) é onde se aplica a corrente elétrica e o enrolamento secundário(bobina B) é onde se colhe a corrente elétrica proveniente da indução eletromagnética, também chamadas de bobinas de excitação e bobinas de medição respectivamente. O material a ser inspecionado deve ser colocado dentro das bobinas, imerso no campo eletromagnético ou no seu núcleo.

 

 

A parte final deste artigo será publicada em nossa próxima edição.

Marcos Dias Neves

Técnico em Eletromecânica pela ETE - Jorge Street, SPé diretor da Wirbelstrom - Ensaios Não Destrutivos

wirbelstromend@yahoo.com.br

+55 11 2897-5241

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com