Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 35
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eventos - Fischer
24/10/2012 03h10

Eventos 

 

Alemã fischer ministra palestra sobre chumbadores químicos e mecânicos


Em sua primeira visita ao Brasil, engenheiro chefe internacional da empresa demonstrou em evento como utilizar fixações seguras para evitar perdas e riscos

 

 


A fischer – empresa alemã especialista em sistemas de fixação – organizou em agosto deste ano, no Institutode Engenharia de São Paulo, SP, a palestra “Chumbadores– por que correr riscos?”, ministrada pelo chefe internacional do departamento técnico, Joachim Mauz. Entre os temas abordados, se destacavam: tipos e princípios das fixações; diferenças entre fixações mecânicas e químicas e tipos de resinas; certificado e a sua importância; teoria e dimensionamento das fixações; softwares para cálculo de fixações Compufix e Rebarfix; e apresentação de casos.

Especialista em engenharia de fixações e cálculos de vergalhões pós-instaladas e fixações de estruturas metálicas, Mauz atua na empresa há 17 anos como engenheiro de pesquisa e desenvolvimento para ancoragens mecânicas e químicas, sendo titular e co-proprietário de várias patentes no segmento. Trabalhou com chefe de consultoria e suporte técnico internacional da fischer,tendo realizado especificações técnicas para projetos de larga escala como o Metrô e o Aeroporto de Dubai. “Foi a primeira vez em que estive no Brasil e fiquei muito surpreso com o que vi por aqui. Sem dúvida o país está em destaque, pois possui um volume de mega projetos impressionantes e profissionais técnicos com um nível fantástico” afirma Mauz.

Durante sua apresentação, Mauz apontou o fato do mercado brasileiro ser um tanto deficiente, quando o assunto é fixação, além de não contar com uma norma em vigor atualizada e que abrange o conhecimento técnico, hoje aplicado em boa parte do resto do mundo. “Mesmo o Brasil não praticando os conhecimentos estudados lá fora, um grande facilitador é o saber técnico dos engenheiros brasileiros, o qual é muito elevado. Sendo assim, fica muito fácil mostrar a importância que uma fixação tem na segurança, durabilidade e desempenho de uma estrutura ou equipamento”, declara.

Outros dois pontos abordados foram a questão da aprovação dos produtos de fixação e o tão usado “teste de arranque”. Quanto da aprovação, Mauz afirma que aqui é muito comum algumas empresas fornecerem certificados baseados em um conjunto limitado de testes e situações não fornecendo dados suficientes para um dimensionamento seguro da fixação. “Uma aprovação obriga um controle de qualidade da produção pois atesta a sua performance. Para se ter uma ideia, uma família de chumbadores mecânicos (todas as medidas de um mesmo tipo), depois de seu desenvolvimento, pode levar até dois anos e algumas centenas de milhares de euros. E, mesmo assim, vale ressaltar que até as fixações, que possuem o mesmo tipo de aprovação, podem ter desempenhos muito diferentes”, frisa. Já o “teste de arranque” foi mencionado porque é uma prática muito comum no Brasil e utilizada por empresas que não querem investir em uma aprovação do produto. O teste nada mais é do que um ensaio realizado com o uso de um macaco hidráulico e que visa determinar a carga de tração que uma fixação suporta. “O grande problema é que, muitas vezes, o teste é realizado de forma errada e, mesmo quando feito de forma correta, atesta um universo extremamente limitado da fixação. Por isso, serve apenas para testar o material base (quando se desconhece as características) e para testar a qualidade da instalação do chumbador”, explica Mauz.

Além da preocupação com a qualidade e aplicação dos fixadores, o engenheiro também citou a importância com qual o assunto é tratado e o seu valor.“Muitas vezes se dá uma atenção enorme às estruturas de concreto e aço, bem como aos equipamentos, sem levarem consideração que a fixação tem o mesmo nível de importância. Uma corrente é tão forte quanto o seu elo mais fraco, ou seja, de nada adianta se preocupar com tudo e economizar em algo tão importante”, finaliza.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com