Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 32
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fique por dentro
18/06/2012 11h10

FIQUE POR DENTRO

 

Parafusos criam diferencial em instrumento musical

 

Piano recebe aplicação de fixadores entre as cordas e traz sons irreverentes e inusitados durante concerto

 

A inclusão cuidadosa e calculada de elementos de fixação entre as cordas de um piano de cauda, apesar de inusitada, o transforma em uma especial orquestra de percussão.
O que a princípio poderia parecer grosseiro, revela no decorrer da audição um mundo de sons graciosos, sensíveis e incomuns. É nesse ambiente de sonoridade rara que as pianistas brasileiras Lilian Nakahodo, Grace Torres e a diretora musical Vera Di Domenico apresentam seu trabalho em cima do chamado “piano preparado”.


Este piano foi concebido por Jonh Cage, renomado compositor da vanguarda musical do século XX, conhecido por produzir obras a partir de simples deslocamentos de funções de objetos. O artista chegou a criar uma bula para 20 peças musicais com todas as instruções de materiais a serem inseridos entre as cordas, o que inclui a aplicação, principalmente, de parafusos de vários tipos e tamanhos, porcas, pedaços de borracha e plástico.

Grace Torres e Lilian Nakahodo

Na receita do compositor os parafusos são diferenciados por três categorias: “screw”, o nosso parafuso comum; “furniture bolt” (para móveis), sem ponta, mas com uma parte cega (lisa) antes da cabeça; e o “bolt”, sem ponta, utilizado normalmente com porcas ou borboletas. Os materiais usados na preparação resultam em 45 teclas de 88 que o piano possui, sendo 48 o número total de parafusos utilizados.

Segundo a pianista Grace Torres, Cage não fez nenhuma referência aos tamanhos ou espessuras para permitir, assim, uma grande liberdade para experimentações e adaptações por parte dos intérpretes.

“As primeiras preparações de piano que fizemos foram com parafusos comuns, de aço. Depois testamos também alguns niquelados/cromados até chegarmos aos de latão, que parecem ser um pouco mais “moles” e gentis com as cordas. Porém, foi um pouco mais difícil conseguir uma variedade de tamanhos (espessura e comprimento) neste tipo de material”, conta.

As pianistas chegaram a gravar um CD ao vivo chamado “Preparado em Curitiba: John Cage - Sonatas e Interlúdios para Piano Preparado”, tornando-se as primeiras brasileiras a realizarem este trabalho.

Vera Di Domenico, que também atua como professora na área, explica que foi fundamental realizar esse projeto através de uma Lei de Incentivo, que viabilizou um piano de cauda para desenvolver especialmente os estudos do compositor.

“Tínhamos uma enorme vontade de apresentar parafusos e porcas recriando um instrumento, no caso o piano preparado. É realmente uma experiência maravilhosa e única, pois nem todos têm conhecimento sobre o assunto. Especialmente este ano, em que o centenário de nascimento de John Cage está sendo comemorado no mundo todo”, finaliza.


 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com