Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 31
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fundamentos de Marketing
24/03/2012 10h11

Fundamentos de Marketing

 

Existe luz no final do túnel?

 

A primeira coluna do ano é sempre a mais difícil. A tentação de prever o futuro e oferecer ao leitor um horizonte estratégico é um grande desafio. Em 2011 fui feliz ao mencionar as oportunidades de mercado como Pré-Sal, Olimpíadas e Copa do Mundo. Estes foram os assuntos que dominaram os jornais durante todo o ano. “Arrisquei” sobre a possibilidade de compra de aviões para a FAB, que não só não se efetivou como sumiu da pauta. Na área política, previ uma luta de 12 rounds para que a “presidenta” Dilma Rousseff ostentasse o cinturão do Poder. Sete ministros caíram e vem mais por ai. Fosse vivo, Drummond diria: - “E agora, José? Tem um ministro no meio do caminho, no meio do caminho tem um ministro”. 

Aos trancos e barrancos, a construção civil terá grande peso na economia brasileira; existe capital e vontade política para sustentar seu crescimento. Este setor deverá manter o nível de emprego e ajudará o Governo a esconder o declínio no índice de empregos na indústria de transformação que teve em 2011, segundo a Fiesp, o pior novembro desde 2006.

No panorama internacional, a Grécia nos fez esquecer o Japão; a Itália provou que nem tudo acaba em pizza; a França ainda é o maior produtor agrícola da Europa; e a Alemanha comemorou 20 anos de reunificação. No Oriente Médio, o Irã, a bola da vez, já provoca alta no preço do petróleo.

Aqui no Brasil esquecemos que o México existe e a América do Sul está mais para questão de segurança nacional que para oportunidade de mercado. Enquanto isso, a China é nosso maior parceiro comercial e os Estados Unidos tem o maior PIB do mundo. 

A crise europeia ainda não demonstrou todo seu vigor. Para nós, a pior consequência será de percepção de desempenho. A decadência europeia está mascarando a incompetência brasileira que comemora ao ultrapassar a Inglaterra no ranking do PIB sem prestar conta do vergonhoso Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). 

Afinal, existe luz no final do túnel? Sim. Sempre há. O Governo dá sinais claros de que promoverá medidas protecionistas, pelo menos assim prometeu a “presidenta”.


Hans Müller é sócio-diretor da White Oak Marketing
hans@wocs.com.br

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com