Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 92
Busca::..
Edição 93
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Case
20/04/2022 03h00

Case

Frimox, tutto in famiglia da mezzo secolo

Desde 1965 fabricando produtos para tratamento de superfície

Ao final de dezembro de 1965 um grupo de filhos de imigrantes italianos, funcionários da empresa Ferro Enamel do Brasil, saíram dos respectivos empregos em busca do sonho de prosperidade. De certa forma, isso retrata bem a história do avanço industrial no país, especialmente na segunda metade do Século XX.

Entre o quintal e a cozinha de uma residência no bairro Camilópolis, Santo André, na Grande São Paulo, nascia a Frimox, uma combinação de “fritas, metálicas e óxidos”, termos linkados aos produtos e processos feitos pela nova empresa, fundada por Arnaldo Samaronne, José Antônio de Almeida, Ildefonso Veronesi e o casal Francisco de Paula Gallucci e Palmira Pichirilli Gallucci.

Com a saída dos sócios, desde a década de 1970 os Gallucci assumiram o controle do negócio, numa trajetória, até então, marcada pelo fornecimento de Desde 1965 fabricando produtos para tratamento de superfície processos de esmaltação em fogões e outros eletrodomésticos, artefatos como xícaras e utensílios em geral, e até penico metálicos.

Ainda sob a direção de Francisco, que se foi em 2018, a Frimox Química continuou avançando, fazendo produtos para diversos tipos de tratamento de superfície, com destaque para uso em trefilação, cortes, banhos, dobramentos, estampagem, estiramentos, extrusão, forjamentos, laminação, usinagem, desengraxe, descarbonização, decapagem, proteção, desincrustação, fosfatização, neutralização, passivação, pintura, esmaltação, cobreamento, limpeza pesada, tratamentos diversos e outros.

Ainda em 1988, a empresa adquiriu uma ampla área de 28 mil m², na cidade de Mauá, SP, iniciando pouco a pouco a construção da atual sede, inaugurada em 1994, num local ainda repleto de áreas verdes muito bem preservadas, nas margens do Rodoanel o que se tornou uma vantagem ímpar.

Palmira afirma seu orgulho de estar acompanhada pelos filhos e netos, mantendo a família unida no espírito empreendedor e perseverante de Francisco, que deu continuidade na concretização do sonho de muitos e muitos imigrantes, que compõem grande parte do arcabouço industrial que existe hoje no Brasil.

A cofundadora se mantém atuante na empresa, hoje sob a gestão dos filhos: Vicente Gallucci Neto (diretor comercial), Francisco Gallucci Filho (diretor industrial), Roseli Gallucci (diretora financeira) e Francisco Gallucci Neto (diretor adm.). Os membros da 2ª e 3ª geração tem mantido fortes tantos os laços familiares quanto o profi ssional e, sobretudo, em sintonia com as demandas do atual cenário industrial global, incluindo as questões ambientais.

Nas dependências da empresa existe uma horta, cuidada e desfrutada por todo a equipe, que também dedica um espaço para coleta seletiva, na qual os colaboradores trazem materiais recicláveis de casa que, acumulado, ao final do ano é vendido, o que tem gerado cerca de R$ 3 mil, valor este dividido entre todos aqueles que fazem as tarefas de “caçadores/coletores”.

A Frimox se vê num momento muito positivo no mercado, operante abaixo de 50% de sua capacidade produtiva (300 toneladas/ano). Assim, em caso de qualquer elevação brusca do mercado, a demanda poderá ser atendida quase sem nenhum investimento, numa gestão, que segundo a diretoria, tem sido marcada pela flexibilidade em dar a clientela o mais apropriado para cada tipo de demanda, seja ele de segmentos como o aeronáutico, agro, automotivo e autopeças, bélico, construção civil, eletrodomésticos e utensílios domésticos, ferroviário, limpeza industrial, manutenção, mobiliário, naval, pet, parafuseiro, químico, siderúrgico e outros.

Frimox Química

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com