Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 92
Busca::..
Edição 93
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Itália News
31/05/2022 02h09

Itália News

 “Os gargalos da recuperação”

A esperada recuperação econômica normal vem se tornando caótica e desordenada

A crença geral era de que a pandemia Covid-19 se desenvolveria de acordo com um padrão bem definido: fase pandêmica, pesquisa e definição de uma vacina viável, retomada lenta das atividades econômicas em um clima que começava a voltar ao normal. Após o agravamento da infecção, finalmente chegou a tão esperada vacina, fruto de estudos intensivos e pesquisas frenéticas no campo; infelizmente, esta realidade, inevitavelmente, contestada pelos antivacinas. De qualquer forma, em pouco menos de três anos, o fenômeno Covid-19 influenciou e comprometeu completamente vários equilíbrios, como o social-saúde e, principalmente, o econômico-produtivo.

Em particular, a pandemia deixou uma marca clara no setor trabalhista, especialmente em seu momento mais agudo. Empresas tiveram que reformular atividades e revisar métodos operacionais, repensando planos de trabalho. Na frente de gestão, a incerteza tornou- -se cada vez mais ameaçadora. As perguntas feitas pelos gerentes operacionais foram: “O que fazemos?” “Como lidamos com as questões impostas pela pandemia?” Felizmente, o pior da situação foi mitigado pela vacina, que incutiu confiança em um futuro que parecia incerto. Mas o que deveria ser uma recuperação econômica normal está, na verdade, provando ser um despertar nervoso, caótico e desordenado. A encruzilhada do mal-estar geral se deve a um gargalo de contêineres: um pedaço do Oceano Pacífico foi transformado em um gigantesco estacionamento. Em média, 70 a 100 navios flutuam no mar por dias ou semanas porque não há docas vagas para atracar e descarregar contêineres. Sem falar nos problemas dos gigantes do mar, os megacontêineres, que são superdimensionados e têm difi culdade em encontrar o cais certo. Toda essa cabotagem obstrui os mares, polui o meio ambiente e causa outros grandes inconvenientes. Supermercados sem mercadorias, empresas esperando por peças, muitos consumidores finais insatisfeitos. Inúmeros setores econômicos estão, portanto, sofrendo: de semicondutores a carros, aquecedores de água e eletrodomésticos, pneus e equipamentos eletromédicos. Mas a “Mãe de todos os gargalos” não tardou a fazer sentir os seus efeitos maléficos em todo o setor econômico e social. Em média, as taxas para envio aumentaram recentemente em 450%.

O congestionamento global dos mares é um dos muitos fatores que contribuem para a inflação. Nos Estados Unidos, os preços ao consumidor subiram 6,2%, no atacado 8,6%. O Banco Central dos EUA até agora tentou tranquilizar a todos. Sua seguradora favorita atribui a inflação a um “efeito de funil” criado por pandemias e, portanto, superável. Estamos todos inclinados a acreditar e esperar que estas sejam realmente situações anômalas e transitórias. Mas a dúvida de que o gargalo possa entupir de repente, talvez com uma onda de Covid, possivelmente chamada de Ômicron, atrapalha muito nosso sono. Concluindo, a grande esperança é que a recuperação pós-Covid não se reduza a uma grande bolha.

Prêmio Bilanci d’Acciaio contemplou segmentos de molas, arames trefilados e parafusos

Em Lecco, Lombardia, Itália, foi realizada a cerimônia que contemplou os vencedores 2021 do prêmio Bilanci d’Acciaio, nas modalidades Trefilaria, Molas e Parafusos.

A Eure Inox of Peschiera Borromeo, de Milão, venceu na modalidade Trefilaria, com o prêmio recebido por Renato Nemfardi, CEO. Fundada em 1997, a empresa ocupa mais de 40 mil metros quadrados de área, emprega mais de 70 pessoas e produz cerca de 15 mil toneladas/ano, com cerca de 50% dos negócios gerados no exterior.

Na modalidade Molas o prêmio foi para a associação comercial ANCCEM, recebido por Angelo Cortesi, seu ex-presidente. Fundada em 1972, a ANCCEM fica em Brescia, Lombardia, e representa 67% dos fabricantes italianos de molas e 82% dos fabricantes de molas helicoidais. Ela promove estudos e pesquisas sobre custos de produção e organiza workshops anuais, onde são estudados estratégias e modelos de desenvolvimento para fábricas de molas.

Fechando, na modalidade Parafusos, Piero Arduini recebeu o prêmio pela Specialinsert Srl, empresa sediada em Turim, na região de Piemonte. Presidida por Arduine, ela foi fundada em 1974, opera atualmente com mais de 60 funcionários entre duas unidades de produção, uma em Turim, com 3.000 m², outra em Maerne di Martellago, Veneza, com 5.500 m². Sua produção acumula mais de 100 milhões de sistemas de fixação anualmente, exportando para mais de 70 países.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com