Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 82
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Especial - Made in Brazil
12/09/2020 08h04

Especial

 Made in Brazil x Made out Brazil

Um panorama do recente giro internacional entre fixadores exportados e importados 

Aparentemente, o Brasil é um relevante importador de fixadores, com exportação não tão significativa. Mas como a pandemia chacoalhou o mundo talvez uma inversão disso tudo, como exportar mais, não seja algo assim tão impensável.

Observe que o Brasil reúne sim condições para elevar esses volumes em níveis bem superiores aos atuais, até porque já se fazem fixadores aqui há mais de um século. Mas isso não ocorrerá sem processos de profunda modernização, sobretudo em leis e tributação.

Só para se ter uma ideia, uma prensa automática comprada por uma indústria italiana na própria Itália - numa fornecedora local como a Sacma ou Carlo Salvi - custa cerca de 35% menos do que o pago por um cliente brasileiro, segundo confirmou Ricardo M. Castelhano, diretor superintendente da Jomarca Ind. de Parafusos. E veja que o exemplo citado é a Itália, um país europeu, portanto, de custos bem maiores que os nossos.

E é, também, fundamental ressaltar que não há nem de longe um fabricante similar dessas prensas no Brasil, o que torna a alta tributação, apenas e tão somente, uma pedra que nós mesmos colocamos em nosso sapato.

Outra questão é a tributação dos empregos. Segundo o professor do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) e colunista da Folha de S. Paulo, Marcos Lisboa, cada ponto percentual a mais na tributação do emprego formal fomenta 0,27% na informalidade.

Para sua melhor compreensão, apresentamos a seguir dados do Ministério da Indústria e Comércio (Mdic) envolvendo os volumes de importação e exportação desses manufaturados, classifi cados como parafusos, porcas, pregos, rebites e outros, num mix de itens feitos em aço, alumínio, cobre e ferro.

Porto de Navegantes, Santa Catarina - Brasil

Importação janeiro-junho 2020

O mercado brasileiro importou cerca de 52,5 mil toneladas entre janeiro e junho de 2020. Esse volume é 14% menor que o mesmo semestre de 2019, período que se repetirá nas comparações a seguir.

De acordo com o Mdic, esses itens Made out Brazil demandaram US$ 255 milhões (-17,9% menor que 2019). Os 10 maiores fornecedores (em US$ milhões) foram: China: US$ 61 (1,6%); EUA: US$ 39,2 (-15%); Japão: US$ 30,5 (-17,1%); Alemanha: US$ 26 (-29,4%); Taiwan: US$ 14,7 (-19,5%); Itália: US$ 12,5 (-33%); França: US$ 11,9 (-36%); Coreia do Sul: US$ 8,97 (-37,5%); Índia: US$ 8,18 (35%); Tailândia: US$ 5,23 (-13,4%); outros: US$ 37,44.

Exportação janeiro-junho 2020

Na mão oposta, a exportação de fixadores Made in Brazil durante o primeiro semestre de 2020 alcançou 10,1 mil toneladas (31.6% abaixo de 2019). O faturamento foi de US$ 67,21 (31,1% menor que 2019). Desse total, a líder em importação ao Brasil, a China só comprou US$ 366 mil (0,54% do total). Os dez maiores clientes dos brasileiros são: EUA: US$ 29,5 (-29,6%); Argentina: US$ 8,61 (-21,2%); Paraguai: US$ 4,28 (-25,5%); França: US$ 3,24 (-20,1%); México: US$ 2,49 (-31,9%); Chile: US$ 2,35 (8,4%); Alemanha: US$ 2,31 (-25%); Colômbia: US$ 1,62 (-12,3%); Bolívia: US$ 1,39 (-54,2%); Reino Unido: US$ 1,36 (-43,1%); outros US$ 9,87.

Importação 2019

Ao longo de 2019 o total importado foi de US$ 621,65 milhões (8,7% a menos que em 2018), totalizando 123,9 mil toneladas (6,7% menor que 2018). Os 10 líderes são: China: US$ 130 (-2,1%); EUA: US$ 95,5 (-1,4%); Alemanha: US$ 72,9 (-6,9%); Japão: US$ 72 (-8%); Itália: US$ 37,3 (-34%); França: US$ 34,5 (-9,4%); Taiwan: US$ 33,4 (-17,3%); Coreia do Sul US$ 27,3 (4,69%); Índia US$ 13,3 (18%); Tailândia US$ 11,5 (-18,9%); outros US$ 93,95.

Exportação 2019

A exportação 2019 alcançou US$ 193.93 milhões (20,7% maior que 2018), com mais de 29,5 mil toneladas (13,4% abaixo de 2018). Os dez líderes foram: EUA: US$ 79,7 (86,6%); Argentina: US$ 22,6 (-20,5%); Paraguai: US$ 13 (-18,1%); França: US$ 7,86 (-5,1%); México: US$ 6,64 (19,8%); Alemanha: US$ 6,076 (-32%); Bolívia: US$ 5,76 (-10,8%); Chile: US$ 4,97 (29,4%); Reino Unido: US$ 4,94 (39,7%); Índia: US$ 4,16 (-38,8%); outros US$ 37,81.

Obviamente, as exportações têm um nível de pulverização muito maior, com destinos inusitados como a britânica Ilha de Man, que registrou no ano passado a importação de US$ 18, enquanto a China comprou US$ 1,37 milhão, 0,71% do total exportado em fixadores Made in Brazil (28,8% menor que em 2018).

Fonte: Ministério da indústria, Comércio Exterior e Serviços

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com