Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 82
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
10/08/2020 09h10

Editorial

Acidentes de percurso

Segundo o professor A. Delfim Netto, ex-ministro da Economia, a história do mundo tem se mostrado muito mais obra de acidentes de percurso. Episódios como a Queda de Constantinopla (1453) foi decisiva no descobrimento do Brasil, enquanto a Revolução Francesa (1789) impactou no povoamento e no desenho cultural e geopolítico que perdura aqui até hoje.

A Primeira Guerra Mundial (1914-1918), por sua vez, teve muito peso no avanço do nosso setor industrial, numa economia ainda muito dependente da cafeicultura, embora com relevante produção no setor têxtil. Nessa ocasião a Europa reduziu suas exportações devido ao conflito bélico, o que abriu espaço no Brasil para empresários implantarem produção doméstica de manufaturados. Segundo o site da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em 1920 já havia 4.458 fabricantes registrados.

A quebra da Bolsa de Valores (1929) foi um acidente duro para o setor do café, mas que reforçou ainda mais a busca em ampliar o setor manufatureiro, em um Brasil posicionado como 48ª economia global, bem modesta diante da atual 8ª posição.

Sob outro acidente, durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) o então presidente Getúlio Vargas emprestou a cidade de Natal, RN, ao exército dos EUA, em troca da construção de nossa primeira siderúrgica nacional, já que ficava inviável ser uma nação industrializada sem produzir metais.

Desde então, o Brasil teve as maiores taxas de crescimento do mundo e era grande exportador até os anos 1980, quando se tornou uma nação emergente com altos custos para produzir e exportar.

Neste acidente atual, chamado Covid-19, pode estar um recomeço, com reformas estruturais que devolveriam um pouco da competitividade perdida. E não se trata de um sonho se observarmos a matéria da seção Especial, onde dados do Governo Federal mostram que em 2019 o país exportou US$ 193 milhões em parafusos e afins, contra US$ 621 milhões em fixadores importados.

 
 
Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com