Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 82
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eurásia News
10/08/2020 10h20

Eurásia News

Sinan Topuk, membro conselho da Bolt Civata, fala do segmento e do futuro da indústria turca

A Bağlantı Elemanları A.Ş. (Bolt Civata) foi fundada em 1986, mudando-se para a cidade de Bursa em 1993. Desde 1997 passamos a investir em máquinas de multi-estágios, e em 2008 começamos a nos focar na produção de itens especiais, realizando mais investimentos ampliando o número de máquinas já existentes. Em 2016 tínhamos num total de US$ 3,5 milhões para investimentos, com US$ 2,8 milhões aplicados na compra de máquinas e equipamentos e o restante em infraestrutura. Investimentos em laboratórios e instrumentos de medição para a qualidade tiveram continuidade entre 2019 e 2020, incluindo um programa de simulação. Máquinas de escolha terão sua vez neste ano.

P&D

As instalações da Bolt Civata estão numa área total de 6500 m2, 1500 m2 de área não construída. Dos 200 colaboradores, 17% são engenheiros e 25% graduados em universidades. Nosso laboratório ganhou o título de centro de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Turquia. Temos projetos de P&D em andamento entidades governamentais, como o Tübitak (conselho de pesquisa científica e tecnológica) e no Kosgeb (órgão de desenvolvimento e suporte as pequenas e médias empresas). Fabricamos peças completamente especiais por conformação a frio, com 70% da produção e exportação destinada à indústria automotiva, com a maioria desses produtos fornecidos para empresas da Alemanha, Inglaterra e França. Também exportamos, embora pouco, para China e América.

Uma planta integrada

Com máquinas de 5 a 6 estágios podemos fabricar de M3 a M24 e comprimento de até 200 mm. Todos os processos em tratamento de superfície são realizados dentro de nossa própria planta, incluindo o e tratamento térmico, na qual operamos com dois fornos com capacidade de 750 kg e 500 kg. Atualmente, terceirizamos apenas serviços de revestimento, mas logo teremos uma linha própria de revestimento, que já está entre nossos novos planos de investimentos. Temos um segundo departamento de operações secundárias, onde parte do que é fabricado não pode ser concluído no processo de forjamento a frio. Temos unidades de produção, de rosqueamento, fosfatização, trefi lação e embalagem. Estamos no caminho de nos tornarmos uma instalação totalmente integrada. Somos certifi cados pela IATF 16949, ISO 14001, OHSAS 18001.

Produtos inovadores

Vivemos entre sonhos e esforços para fazer produtos inovadores. Prevemos que os motores de combustão interna existentes e, portanto, as tecnologias que produzem fumaça, voltarão nos próximos 10 a 15 anos e queremos desenvolver alguns produtos de acordo. Podemos considerar setores como automotivo, indústria de defesa e indústria naval nesse grupo. Também consideramos que haverá desenvolvimentos em nossa indústria de máquinas juntamente com nossa produção de automóveis elétricos. Acredito que a Turquia terá voz nesse setor num futuro próximo, pois ela tem muita força na fabricação de itens standard e especiais. Creio estarmos progredindo ao ponto de nos tornarmos a base de produção da Europa.

Saindo da crise

Embora o setor esteja um pouco fraco em relação a anos anteriores, as empresas tomaram as precauções necessárias, mesmo embora existam problemas em alguns setores devido à conjuntura atual. Nossa população é de 80 milhões de pessoas e, além disso, há uma grande geografia ao nosso redor a uma distância de 4 horas de voo. Não vejo uma situação que nos leve a ser pessimistas. Após uns três ou cinco anos, talvez estejamos falando de outras coisas. É necessário acompanhar as mudanças e acompanhar as inovações.

Com molas e clips Telsama, os primeiros carros elétricos serão feitos no TRNC

O lançamento dos modelos B9 (foto) e J9 ocorreu em uma cerimônia realizada em 02/02/2020 na TRNC (Turkish Republic of Northern Cyprus), oficialmente a República Turca do Norte de Chipre. Este evento teve participação de quase todos os políticos e quase 3000 convidados, incluindo o sr. İrfan Günsel (prof. dr., reitor fundador da Near East University), que realiza o sonho de infância do sr. Suat Günsel (prof. e dr. e presidente do Conselho de Administração da mesma universidade).

Do design ao P&D e ao protótipo todo o processo de surgimento desses veículos elétricos emana de apenas seis anos de trabalho. A P&D e o design são feitos na Near East University envolvendo quase 100 pessoas entre engenheiros e estudantes de várias universidades da Turquia. Os softwares e ferramentas de mobilidade são feitas inteiramente por suas próprias equipes.

O primeiro modelo foi introduzido em 2016 e o primeiro protótipo em 2020. O objetivo é produzir quatro mil unidades em 2022 e 20 mil em 2025, com o modelo J9 incluído. O número de peças utilizadas no veículo é de aproximadamente dez mil, bem mais alto que um veículo elétrico clássico, incluindo molas e clips da indústria turca Telsama.

Aproximadamente 800 empresas de 28 países diferentes trabalharam na produção do carro, sendo o motor fabricado na Bélgica. As peças usadas no protótipo (farol, assento etc.) são importadas, mas quando o veículo entrar em produção serão produzidas peças customizadas. A planta de produção do veículo está pronta, mas as linhas ainda não. As compras de produção continuam com grandes investimentos. Essa produção é vista como uma oportunidade de reconhecimento do TRNC no mundo, e não como uma mera questão comercial.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com