Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 82
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Especial - O cobre na luta contra a Covid-19
10/08/2020 10h49

Especial 

O cobre na luta contra a Covid-19

Como esse tipo de metal ajuda a evitar a propagação de vírus e bactérias

Com o aumento dos casos de infecção pelo Coronavírus, a preocupação em relação à higiene pessoal e manuseio em superfícies de contato cruzado redobrou. Nunca se falou tanto disso. O isolamento social também foi inevitável, mas quando sair de casa é imprescindível, é preciso evitar também tocar em superfícies como corrimões, barras de apoio em metrôs e ônibus, maçanetas, móveis, puxadores, entre outras. O que muitos talvez não saibam é que alguns materiais são mais eficazes para reduzir a quantidade de bactérias e vírus e agem muito mais rápido contra a proliferação, comparado a outros materiais. Esse é o caso do cobre.

O cobre além de ser conhecido por sua grande aplicabilidade, usado em larga escala para a produção de produtos como fios elétricos, tubos industriais, material hidráulico e tantas outras, também apresenta excelentes resultados de ação antimicrobiana, agindo com eficácia na redução significativa da atividade de bactérias, fungos e vírus, fato comprovado em pesquisas científicas iniciadas na década de 90 e início dos anos 2000.

O motivo pelo qual esse metal deixa inativos diversos tipos de bactérias, fungos e vírus está ligado diretamente à sua capacidade de aceitar ou doar facilmente seus elétrons (ou seja, apresenta uma alta oxidação catalítica e um alto potencial de redução). Nos vírus, por exemplo, esta propriedade química permite que os íons de cobre destruam as enzimas envolvidas nos mecanismos de reprodução, além de danificar a proteína de envoltura e ácido nucleico.

Atenta a estas características, em 2008, a Agência de proteção Ambiental Norte Americana (US EPA - United States Environmental Protection Agency) reconheceu o cobre como metal antimicrobiano natural, e passou a definir as superfícies de cobre como autossanitizantes. O interessante é que esta característica permanece mesmo quando o metal está oxidado, com aspecto escurecido, ainda que sua cor natural pode ser recuperada com um simples processo de limpeza.

Diante disso, diversos países da América do Norte, do Sul e da Europa promoveram iniciativas para o uso de cobre em locais com superfícies de contato em locais de alto fluxo de pessoas, tais como edifícios, complexos comerciais e de transporte, além de locais que sediam serviços de saúde, como clínicas e hospitais públicos e privados. No Brasil, foram feitas algumas iniciativas pontuais, principalmente voltadas para mobiliários hospitalares e demais superfícies de contato, como maçanetas e corrimãos. O emprego dele exige um maior investimento inicial, porém se for levado em consideração o valor agregado que o material traz, o retorno sobre o investimento é muito rápido, principalmente se for considerada a redução de despesas decorrentes da minimização de índices de infecção hospitalar e de transmissão de doenças.

No caso específico do Coronavírus, as propriedades antimicrobianas do cobre estão sendo testadas pela comunidade científica e os resultados preliminares são bastante promissores. Uma pesquisa recente, publicada na revista de medicina New England, calculou pela primeira vez o tempo de sobrevida do novo Coronavírus fora do corpo humano. Antes, já era de conhecimento científico bons resultados em estudos relacionados ao Sars-CoV-1, que causou uma epidemia na Ásia nos anos 2000. Esta discussão já foi objeto de pautas em publicações especializadas em construção e arquitetura.

Diante da sensibilidade atual do tema, e todas as consequências que a pandemia tem gerado, mesmo que os resultados dos estudos com a Sars-Cov-2 são preliminares, algumas ações preventivas já podem e devem ser tomadas para ajudar a propagação dessa e, de qualquer outra carga viral ou bactericida. Engajada na luta contra a COVID 19, a Termomecanica, por exemplo, instalou superfícies de cobre em corrimãos, catracas e puxadores de portas localizados nas regiões de maior circulação de pessoas dentro de suas dependências. Uma ação simples, rápida e adicional - afinal, o uso dessas superfícies não elimina a necessidade de outras ações de higiene pessoal – mas, que pode fazer a diferença.

Em suma, sabe-se que são necessárias medidas urgentes que promovam a locomoção segura, preservando a saúde das pessoas. Essa pandemia está trazendo algumas lições e uma delas é que podemos nos antecipar e nos preparar estruturalmente para combater estes inimigos invisíveis. Por isso, essa é a hora de prestarmos atenção na eficácia da aplicação de materiais como o cobre em locais com alto fluxo de pessoas, como instalações de transporte, edifi cações hospitalares, escolares, governamentais e de órgãos públicos, até porque outras doenças virão.

Marcio Rodrigues da Silva

Coordenador do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Ensaios da Termomecanica, empresa líder na transformação de cobre e suas ligas, que participa ativamente das discussões sobre as melhores práticas para aplicação desse tipo de metal.

Fonte: Renata Oliveira (renata@epr.com.br)
EPR Comunicação Corporativa
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com