Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 75
Busca::..
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
30/05/2019 05h25

Artigos

O parafuso no nosso cotidiano. Quanta Ciência e quanto menosprezo. Casos relatados de Recalls – Parte 1

Nesta edição e nas próximas abordaremos aqui como os elementos de fixação estão presentes em nosso dia-a-dia, sua abrangência de aplicações, das Ciências dos Materiais existentes nesses meros parafusos e porcas, e o quão os mesmos são menosprezados, bem como suas consequências 

Iniciaremos fazendo uma abordagem teórica, com vários aspectos físicos e matemáticos, e nas próximas edições exemplos serão apresentados, a fim de consolidar os conceitos teóricos aqui explanados. O roteiro a ser seguido envolverá Juntas, Capacidade de geração de Força por um Parafuso, Torque, Revestimentos, aspectos inerentes aos Coeficientes de Atrito e Processos de Aperto. Os exemplos contemplarão um parafuso, utilizado em aerogeradores, ou seja, nos sistemas Eólicos; um parafuso aplicado em veículos automotivos e na derradeira edição; um parafuso utilizado em implantes odontológicos. (Foto - Dr. Roberto Garcia)

Além das diversas bitolas - de M40 a M0,9 - os exemplos eleitos são de alta criticidade, tanto do ponto de vista de Projeto, dos materiais selecionados e dos processos de aperto. Encerrando esta matéria, um sumário de notificações de "recalls" envolvendo elementos de fixação.

Junta

Uma Junta basicamente é um trio (ou terno) que devem ser projetados harmoniosamente. O parafuso, o elemento roscado externamente. O componente a ser fixado não possui rosca e aqui genericamente será denominado de suporte. O terceiro elemento é a porca, cuja rosca é interna. Não por acaso é o único elemento feminino da Junta e, por sua vez, é quem possui maior resistência, no sentido amplo da palavra.

Como todo material possui um determinado módulo de elasticidade, é vedado ao suporte e a porca ultrapassar o regime elástico. As possíveis deformações permanentes no suporte e na porca poderão causar perda de pré-carga. Com relação ao parafuso, este limite (elástico) pode ser superado, sendo permitido que o mesmo seja apertado na sua região elasto-plástica, até nas vizinhas da máxima força tensora que o mesmo pode gerar (e antes da estricção).

Classe de Resistência

O foco será nos Parafusos, pois como citado nos parágrafos anteriores, tanto o suporte como a porca são mais resistentes que o parafuso, assim sendo, o parafuso é o "fusível" deste sistema. E óbvio, ele não pode "queimar". Quanto maior a classe de resistência, por exemplo 12.9, maior será a capacidade de geração de força por este elemento de fixação.

Classes 8.8, 9.8, 10.9 e 12.9 implicam em transformação térmica do material, processo que envolve aquecimento e principalmente resfriamento. O processo térmico provoca transformações alotrópicas (ferro gama – ferro alfa), com aumento de volume, o que acarreta uma concentrações de tensões, daí a necessidade de revenimento. Mas são estas tensões internas residuais que agregam as propriedades desejadas. Classes inferiores a 8.8 (6.8, por exemplo) não requerem tratamento térmico, porém a resistência destes parafusos são bem menores.

Assim sendo, uma maior classe de resistência implica em maior capacidade de geração de força, conseqüência de maiores tensões residuais internas. Também é um atributo da aplicação do parafuso. Maior tensão residual, maior responsabilidade funcional do parafuso.  

Uma maneira lúdica de fixar o conceito acima descrito é mostrado na Figura 1, onde temos uma Escala Empírica de Tensões Residuais, que denomino como "Síndrome dos Botões da Camisa do Gordinho”, elencando a classe de resistência à responsabilidade do parafuso.  

Figura 1: Diagramação "jocosa" associando a classe de resistência de um parafuso para sua responsabilidade funcional.

Maior responsabilidade implica numa classe de resistência mais elevada, e maiores tensões residuais internas.

Esforço Combinado

Ao se apertar um parafuso, o mesmo sofre concomitantemente esforços axiais e torsionais, diferentemente quando se traciona um parafuso, onde temos apenas carga axial pura.

O esforço combinado resulta numa força menor do que a carga axial e este rendimento (η) é inversamente proporcional ao Coeficiente de Atrito de Rosca (μG), como mostra a equação 1 abaixo:

Para aquilatar o quanto μG afeta o η, considerando um parafuso M12 × 1,5, para μG de 0,06 o η é de 92,65%, e para μG de 0,18, η é da ordem de 74,12%. Nesta última condição, praticamente 1/4 (um quarto) do Parafuso vai para o "lixo".  

Força de União

Considerando o esforço combinado e aperto no regime elástico do parafuso, podemos afirmar que o parafuso se comporta como uma mola, logo respeita a Lei de Hooke. O limite do regime elástico é o Limite de Escoamento, também denominado "Yield Point".

A Figura 2 mostra a força de união, gerada por um parafuso, em função da deformação, no regime elástico, cujo limite superior é o "Yield Point".

Figura 2: Diagramação mostrando a região elástica do parafuso, cujo limite é o "Yield Point", neste intervalo de força e deformação, o parafuso se comporta como uma mola.

Como estamos no regime elástico, podemos determinar a constante de mola, através da Lei de Hooke.

A expressão que relaciona a Força com o ângulo de aperto é mostrada na equação 2 abaixo:

 Re-escrevendo a equação 2 , temos uma expressão que relaciona o ângulo de aperto, as resiliências e a força tensora. Veja a equação 3:

onde: Fv = Força Tensora

δS = Resiliência do Elemento de Fixação

δP = Resiliência da Junta

360º= Constante geométrica, fator de conversão de    p deformação angular em deformação linear.

Convém ressaltar que as equações 2 e 3 só são válidas no regime elástico, ou seja, até o "Yield Point".  

O comportamento de um parafuso, desde o inicio do seu aperto até a sua força máxima, respeita a equação matemática atribuída a Richards, ou seja, trata-se de um comportamento sigmóide, isto é, em formato de sigma (maiúsculo), função assintótica ao eixo de deformação angular, nos limites inferiores de força, quando esta tende a zero, e nos limites superiores de força, quando tende à força máxima. A expressão matemática da Equação de Richards é mostrada na equação 4.

onde:

F(α) = Força Tensora para um dado ângulo (α) de aperto

A = Fator pré-exponencial, relacionado com o valor da força máxima

d = Parâmetro associado à posição do ponto de inflexão ao longo da curva

k = Taxa intrínseca (constante) de crescimento da curva

αi = Ângulo de inflexão da curva sigmoide.

O valor da força no ponto de inflexão ( αi ) é dado pela equação 5:

Já o comportamento gráfico representativo da Equação de Richards, para um parafuso M12 X 1,75, 12.9, é mostrado na Figura 3.

Figura 3: Comportamento gráfico da Equação de Richards. O segmento sigmóide inferior, para força tendendo a zero foi suprimido, pois além de ser assintótico ao eixo da deformação angular, é irrelevante para forças inferiores a 20 k N (M12 X 1,75, 12.9)

Resumindo, se o aperto ocorre na zona elástica do parafuso, o comportamento é linear, respeitando a Lei deHooke. Se o aperto ultrapassa o "Yield Point", adentrando na zona elasto-plástica do parafuso, o comportamento é sigmóide, obedecendo às premissas da expressão matemática atribuída a Richards.

Torque

A ênfase até aqui foi o parafuso como provedor de força tensora. Mas no dia-a-dia é muito mais comum monitorar o torque, a energia utilizada num processo de aperto. A relação entre Torque e Força é dada pela equação 6, mostrada abaixo, denominada Equação Básica.

onde:

MA = Torque (Momento de Aperto), expresso em Nm, sistema SI

FV = Força Tensora, expressa em k N (SI)

k = Fator de Torque, "kfactor", adimensional (que é geralmente tabelado e considerado constante)

d = Diâmetro nominal do elemento de fixação, expresso em mm.

A representação gráfica da equação 6 é mostrada na Figura 4, a partir de dados reais, de um parafuso M16 X 2,0, 10.9.

Figura 4: Representação gráfica da Equação Básica de Torque, a partir de dados reais de um parafuso M16 X 2,0, 10.9.

Dr. Roberto Garcia

• Consultor técnico, bacharel em química, mestre e doutor em físico química pela UNESP (Universidade Estadual Paulista), onde é pesquisador colaborador do GEMAT - Instituto de Química (roberto.2.garcia@gmail.com). • Mentor na Assahi Maquinas e Equipamentos Ltda. - Fastening Tecnologies Division (garcia@assahimaquinas.com.br).

A segunda parte deste artigo será publicada em nossa próxima edição.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com