Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 75
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
30/05/2019 05h18

Editorial

Feira livre

Mal comparando uma feira de negócios como a Feicon-Batimat (Feicon) é de uma abrangência gigantesca, muito maior que uma feira do setor fixadores, pois, aborda de tudo, inclusive parafusos. Mesmo assim, a comparação proposta neste texto visa ter a Feicon, Brasil, e do lado oposto à Fastener Fair Stuttgart (FFS), Alemanha, ambas destacadas nesta edição.

Segundo os respectivos organizadores, neste ano foram 700 expositores e 84 mil visitantes durante os quatro dias de Feicon; a FFS teve 987 expositores e 12 mil visitantes em seus três dias. A proporção oscila entre 120 visitantes por expositor na Feicon-Batimat, contra 12 visitantes na Fastener Fair Stuttgart.

Sendo assim, do que vale a quantidade sem qualidade? Justifica-se abrir tanto esses espaços de negócios para tantas pessoas? Muitas delas têm uma relação limitadíssima com o mercado. Então, quem ganha com isso? O estacionamento? Os restaurantes? É algo para se duvidar; é algo para se repensar e ajustar.

Os números aqui apresentados deixam claro o quanto valerá rever esse modelo de “feira livre”, sobretudo porque muita visitação sobrecarrega tudo: banheiros, corredores e ainda fadiga expositores que acabam tendo que lidar com inconveniências. Aliás, nessas grandes movimentações pode estar a mola propulsora de furtos. Na Fastener Fair Brasil 2011, o equipamento do nosso fotógrafo, Renan Torres, dentro do estande da Revista do Parafuso, e num momento em que havia duas expositoras presentes.

É importante dizer que não se trata de uma implicância com a Feicon, e sim com todas as feiras no Brasil, onde basta ter uma carteira de identidade e ingressar. Concluindo, não dá para descartar que muitos visitantes com real potencial podem estar, aqui ou acolá, evitando essas feiras por se incomodarem com essa densidade improdutiva.

 
 
 
Boa leitura!
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com