Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 75
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
30/05/2019 05h21

 Entrevista

Salvatore De Giorgi

Visitante constante nas unidades Acument Brasil, e homem forte quando o assunto envolve máquinas, desde julho de 2018 este executivo italiano assumiu toda operação local com a missão de aprimorá-la  

Salvatore De Giorgi

Relembrando anos atrás no Brasil, a antiga Mapri, fabricante de parafusos e similares, havia sido vendida ao grupo norte-americano Textron, que por sua vez a revendeu ao grupo Platinum (do qual Acument fazia parte). Em 2014 o grupo italiano Fontana comprou as unidades Acument dos EUA, México e Brasil. Neste mesmo período o grupo entrou na Índia, comprando uma fabricante local, criando assim o BG Fastening & Engineering Industries, um player local que produz ao mês 880 toneladas de fixadores, destinados às indústrias locais de motocicletas.

Em meio a todo esse processo de globalização, um nome essencial na parte técnica dessas plantas industriais foi o de Salvatore De Giorgi, nosso entrevistado, que hoje mora no Brasil com a missão de fazer as unidades locais a imagem e semelhança de sua matriz.

De Giorgi é formado em engenharia química metalúrgica pela Universidade de Turim, entidade de ensino criada em 1404, sendo hoje uma das mais antigas e prestigiosas da Itália.

Quando e onde você começou na empresa?

Em 1989 ingressei no Grupo Fontana, iniciando na manutenção de máquinas, o que me deu um enorme aprendizado e elevado nível de conhecimento sobre prensas, laminadoras, ferramentas, além de fornos e todos demais equipamentos periféricos que envolvem preparação, fabricação, tratamento térmico e de superfície em parafusos e demais itens similares para fixação mecânica.

O que o levou a este atual cargo?

Essa trajetória me deu condições de participar ativamente em processos técnicos e decisivos não só na planta italiana, mas principalmente quando a Fontana adotou essa postura global com unidades produtivas em outros países. Visitei todas nossas fornecedoras em meio a vistorias técnicas, o que tornou essencial o meu ponto de vista nas escolhas e aquisições de toda maquinaria e ferramentaria.

O que está sendo inovado e investido nas plantas do Brasil?

Nas duas plantas brasileiras, implantamos 15 máquinas vindas da Itália. Em meados de 2019 concluiremos a instalação de uma nova linha de tratamento térmico. Não é de hoje que colaboramos com os fabricantes das nossas máquinas, discutindo as escolhas técnicas a fim de obter máquinas com tecnologia adequada à fabricação de novos produtos.

O que você espera em termos de expansão no mercado brasileiro em 2019, especialmente porque o DNA Acument Brasil é 100% automotivo?

Cheguei ao Brasil em definitivo ano passado, em julho, mas já estava envolvido com a operação local e vivi fortemente os efeitos da greve dos caminhoneiros [na qual estima-se ter ela reduzido 1% do PIB 2019] no início da minha gestão. Mas tenho expectativa de 7 a 8% de avanço na indústria automotiva. As fábricas de motocicletas representam 4% para nós, indicativo que podemos avançar. Entre minhas atividades locais venhoparticipando dos encontros no Sinpa (Sindicato dos Fabricantes de Fixadores), do qual faço parte tendo assumido recentemente a vice-presidência.

Quais pontos de destaque neste primeiro ano e o que espera alcançar?

Planta Industrial Acument em Atibáia, interior de São Palo

Reorganizar tudo para implantar aqui toda cultura Fontana [ou seja, “rinnovare tutta la casa”]. Substituímos fortemente a estrutura, substituindo as lideranças nos pontos chave para aprimorar os processos operacionais, tornando as unidades brasileiras um espelho da Fontana Itália. Isso é possível de alcançar especialmente porque há muita semelhança dos brasileiros com os italianos. Posso dizer que as pessoas que aqui estão possuem boa capacitação, e o primeiro passo tem sido acreditar e retransmitir a elas toda cultura que recebi do Grupo Fontana ao longo dessas três décadas. A meta é que eles tenham prazer por suas atividades, fazer algo se sentindo parte disso, dando ao cliente a confiança que ele tem ao seu lado não apenas um fornecedor, mas uma equipe confiável e comprometida. Essa é a minha principal missão aqui.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com