Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 75
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eventos - Automec
03/06/2019 09h19

Eventos

Automec passa de 75 mil visitantes e 1,5 mil marcas em sua edição 2019

A maior feira de negócios na América Latina para a indústria de peças e tecnologia automotiva supera suas edições anteriores 

Em 27 de abril de 2019, sábado, encerrou a 14ª edição da Automec, a Feira Internacional de Autopeças, Equipamentos e Serviços, marcada pelo público recorde, passando 75 mil visitantes entre 1,5 mil marcas presentes no Pavilhão Imigrantes, de São Paulo, capital. A organização da feira relata que as rodadas de negócios somaram R$ 77 milhões, sendo esta a maior Automec já realizada, com um aumento de 3 mil m² na área de exposição.

Segundo Elias Mufarej, diretor do Sindipeças e responsável por Reposição e Fomento à Exportação, a importância da feira para o setor é clara. "Considerando- se que a Automec é a maior feira de autopeças na América Latina e a quarta no mundo, ela expressa muito bem a magnitude do setor no Brasil, nos seus diversos segmentos", afirma.

Esta edição da Revista do Parafuso é denominada de “RP75”, sendo que na “RP1” (janeiro 2007), e não só nela, foi publicado que um carro compacto é montado com cerca de 1,2 mil elementos de fixação. Portanto, era de se esperar grande presença entre os expositores de parafuseiros, como os fabricantes de parafusos, porcas e similares. Mas, os parafuseiros cravaram um recorde de ausência. Boa leitura!  

        Cailau / Growermetal

Em exposição conjunta, a francesa Caillau é uma marca de renome global em itens de inox, como abraçadeiras, clips e conectores de engates rápidos, peças para uso em partes hidráulicas de veículos automotores, incluindo aviões. As linhas Cailau estão onde circulam fluídos e há demanda por altíssima confiabilidade, sendo a empresa homologada IATF e pela Airbus. A produção é toda na França, destinada para todo o globo, inclusive o Brasil onde dispõe de um centro de distribuição.

Expositora parceira, a Growermetal foi recentemente premiada em terceiro lugar na feira de fixadores da Alemanha com sua arruela plana de segurança, a Grower Tenkeep. “Somos certificados IATF para linhas automotivas e também mantemos um centro de distribuição brasileiro, mas toda a produção Growermetal está na Itália, dividida entre arruelas e molas prato, especialmente itens de aplicações críticas, como demanda a área ferroviária, onde são imensos os níveis de vibrações. Neste segmento estamos homologados pela alemã Deutsche Bahn (DB)”, disse o diretor de ambas operações no Brasil, Eugênio Baranzini.  

                                               Naschold – Elementos de Fixação

Fabricante de parafusos, pinos, rebites, além de roletes para rolamentos e outras peças metálicas de formatos complexos, a Naschold vem mantendo e reforçando investimentos e ações numa produção de alta tecnologia e confiabilidade.

“As demandas em autopeças envolvem um rigor que nem todos fabricantes estão dispostos a atender, mas é exatamente aí que nos focamos, produzindo com o mais alto nível de confiabilidade. Nosso outro foco está no suporte ao cliente, desde o projeto ao fornecimento de peças de formas complexas. Hoje operamos com o software Deform (EUA), de elementos finitos, o que nos deu condição de atender pedidos que eram difíceis uns três anos atrás. Nossa atuação, Tier 2, se divide entre indústrias de autos (60%), motos (15%) e o restante no aftermarket”, segundo Ricardo e Rolando Naschold, diretores.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com