Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 67
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Itália News
14/02/2018 09h26

Itália News

Itália lança plano estratégico para Indústria 4.0

O termo "Indústria 4.0" parece ter sido oficialmente utilizado pela primeira vez por um grupo de empresários, políticos e acadêmicos durante a IT and communication technology 2011, em Hannover, Alemanha. Mas o que está por trás do termo e o que significa o 4.0?"

O trabalho do homem dependia principalmente da sua própria força física e de animais, como bois, burros, cavalos e outros. Desde o surgimento da máquina à vapor, em 1784, teve início a era da industrialização, passando a usar a força proveniente da água, reduzindo drasticamente o esforço menos físico, sendo esta a Industria 1.0. Desde 1870, com o uso da eletricidade e o motor de combustão e, acima de tudo, com a divisão do trabalho somado à introdução das linhas de montagem a humanidade deu outro grande passo. Com máquinas, o trabalho tornou-se mais mental e menos cansativo fisicamente. A nova produção industrial foi consolidada e o conceito de organização do trabalho foi se reformando, surgindo a Indústria 2.0.

Os anos 1970 marcaram o ingresso da tecnologia da informação, que impactou o processo produtivo, fortalecendo a idéia de automação que também expandida para serviços. O esforço físico do trabalho foi consideravelmente reduzido, com a especialização assumindo o controle. A diminuição de trabalhadores no chão de fábrica seguiu-se por um aumento da produtividade devido a dois princípios: automação e otimização do trabalho. Novos sistemas e métodos de gestão começaram a ser adotados. À medida que a era digital assumiu, a indústria entrou no mundo da eletrônica, ou seja, a 3.0.

Ainda um tanto indefinida, a Indústria 4.0 surgiu com a associação da automação e da integração. Um exemplo explica isso: no futuro meu smartphone será capaz de informar ao seu fabricante que ele está no final de sua vida útil. O fabricante atenderá esta demanda, fazendo um novo aparelho que entregue a mim terá minhas configurações pessoais. Isso se chama a IoT, a internet das coisas. Os efeitos dessa nova revolução terá mudanças e conseqüências ainda não muito claras, tanto que especialistas tentam identificar e entender o que mudará, quais serão as novas profissões e quais empregos desaparecerão. Pesquisas do Fórum Econômico Mundial apontam que em cinco anos a digitalização eliminará cerca de 7 milhões de postos de trabalho no globo, mas criará cerca de 2 milhões de novos. A nova era impactará no equilíbrio, com o trabalho tendo cada vez menos influência sobre os custos de produção, sendo cada vez mais difícil para trabalhadores não qualificados encontrarem emprego, e o terceiro mundo menos apetitoso para investimentos industriais. Haverá uma abundância de empregos sem ninguém para preenchêlos, sendo necessário grandes esforços na inovação a fim de evitar uma recessão de enormes proporções, juntamente com a ideia de trabalho e distribuição da riqueza.

Já uma realidade, as nações industrializadas, que vêem a 4.0 como uma nova direção para tornarem suas produções cada vez mais eficientes. A Itália desenvolveu o "Plano Nacional de Indústria 4.0", com 4 diretrizes estratégicas:

- Investimento inovador: estimulando o investimento privado em tecnologias habilitadoras na "Indústria 4.0", ampliando gastos em pesquisa, desenvolvimento e inovação; -

Habilitação de infraestruturas: garantir infraestruturas de redes adequadas, obtendo mais segurança e proteção de dados, colaborando na definição de padrões internacionais de interoperabilidade;

- Competências e Pesquisas: criando competências e estimulando a pesquisa através de treinamentos personalizados;

- Sensibilização e Governança: conscientização, potencialidades e aplicações da Indústria 4.0, garantindo a governança público/privada para a consecução dos objetivos estabelecidos.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com