Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 67
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
14/02/2018 08h26

Editorial 

Uberland

 

  Em visita ao Rio de Janeiro em 2017 consultei o guichê de táxi, do Aeroporto Santos Dumont, onde a viagem ao meu destino custaria R$ 35,00. Com a tecnologia em mãos, eu sabia que a distância era 4,8 km. Fui ao shopping próximo no guichê do Uber, que cobrou ida e volta R$ 29,00. Construídos com dinheiro do povo, os aeroportos exploram justamente quem deveriam servir, em transporte, cafezinho, lanches...

Às vezes vista como vilã, a tecnologia tem servido mais a sociedade do que os governos. Exemplo disso é o Uber, que além de revolucionar o transporte tem sido o grande refúgio para desempregados de setores como a indústria. Mas, em breve, haverá muitos motoristas Uber de volta ao chão de fábrica. Um exemplo desses passa pela siderúrgica Gerdau, na unidade Mogi das Cruzes, SP, que produzia aços especiais com 350 colaboradores até 2014. Desde 2015 essa produção foi paralisada, reduzindo o quadro para 100 pessoas locadas em outros serviços. A Gerdau anunciou a reativação dessa aciaria para janeiro, podendo vir a contratar mais 110 funcionários, incluindo “Uber Drivers”.

Destino do aço, o setor automotivo teve altas em relação ao perverso ano 2016. Segundo a Fenabrave (federação das distribuidoras de autos e motos), somados todos os emplacamentos de automóveis, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros, o crescimento foi de 1,33%, 3.216.761 unidades contra 3.174.598 de 2016. Não considerando motos – que podem fechar o ano com 15% de expansão, em torno de 887 mil unidades – a produção automotiva fechou 2017 com 2,7 milhões de unidades, com forte impacto da exportação, segundo a Anfavea (associação das montadoras).

Beneficiado no campo social e econômico nesses tempos sombrios, o Brasil se tornou o 3º mercado do Uber e a cidade de São Paulo a líder global em viagens, tornando-se cada vez mais uma “Uberland”.  

Boa leitura!
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com