Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 66
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eventos Atotech
05/12/2017 03h10

 

 Eventos

 
Atotech mostra o seu melhor, incluindo linhas decorativas e metalização plástica
 
A subsidiária brasileira recebeu aplicadores e convidados do campo industrial em workshop
 
 
Milton Silveia Maurício Bombonati
Paulo Cardamone Konstantin Schwarz
 
 
Evento de introdução dos mais recentes lançamentos da Atotech, especialmente em linhas decorativas e metalização de plásticos, o DECO/POP CUSTOMER SEMINAR aconteceu em Barueri, SP, dia 28/09/17. Pela Atotech Brasil, Milton Silveira, diretor executivo, abriu o evento com as boas vindas, seguido pela apresentação institucional de Maurício Bombonati, gerente de negócios, tendo Anderson Bos, gerente de Produto DECO/POP, interagindo entre palestrantes e espectadores.
 
“A metalização plástica está em avanço constante, ampliando sua presença na substituição de metais em diversos produtos, algo facilmente notado em eletroeletrônicos, carros e outros. O domínio plástico é fácil de entender já que se trata de materiais versáteis, econômicos, modernos, leves e totalmente metalizáveis. Além disso, eles conferem grande resistência e excelentes propriedades mecânicas”, disse Bos. “Nossos convidados atuam em empresas aplicadoras e indústrias em geral que injetam e cromam ou àquelas que executam apenas a cromação”, concluiu, relatando que dentro das empresas que cromam plásticos no Brasil – o chamado POP (Plating on Plastics), envolvendo setor automotivo e de industrialização de metais sanitários – o market share Atotech está torno de 60%. Na Europa, EUA e Ásia essa fatia gira de 50 a 60%.
 
No raio-x institucional o papel coube a Bombonati, que demonstrou uma visão geral da Atotech no mundo e o que o cliente deve saber sobre a unidade Brasil e seus investimentos: estação de tratamento de efluentes, auditório para treinamentos, cinco laboratórios: central, corrosão, físico, instrumental, e o Tech Center. Vale destacar a instrumentação disponível para dar suporte à clientela, como o microscópio eletrônico de varredura, equipamento capaz de fazer investigações precisas sobre defeitos e encontrar a raiz de problemas em processos. Em conjunto, esses investimentos estruturais ocorreram entre 2013-2014 consumindo cerca de RS 1 milhão. 
 
Já a palestra principal do evento ficou a cargo do alemão Konstantin Schwarz, engenheiro químico há dez anos na Atotech, hoje Gerente Mundial de Projetos Especiais. Schwarz abordou os temas “REACH - Atualização das legislações ambientais europeias”, “Metalização de Plásticos: o que está por vir?” e “Inovações e tendências em acabamentos decorativos”. Numa palestra ele apresentou números globais do avanço plástico, que saltou de 230 milhões de toneladas (t) em 2005, para 322 milhões t em 2015 (não considerando plásticos como PET, PA, PP e fibra poliacrílica). Crescendo nessa média de 4,5% anual, ao final de 2017 podemos estar com 365 milhões t.
 
O evento foi concluído com a palestra “Uma Visão de Futuro do Mercado Automotivo no Brasil - 2025”, apresentada por Paulo Cardamone, estrategista-chefe  da Bright ISD Consulting. Um ponto a ser destacado em sua visão foi que nossa retomada econômica não será tão rápida devido a queda dos salários, o que explica muita coisa. O consumo interno subirá lentamente, salvo pela exportação, algo simples de se constatar pelos relatórios da Anfavea, Fenabrave e outros.
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com