Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 57
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
02/06/2016 02h53

 Editorial

 

Skimming e a Wire

 

Nata: Palavra com mais de um significado, sendo a mais comum “a parte gordurosa que se forma na superfície do leite”, daí a razão para termos como “a nata da sociedade, a nata do esporte, a nata da música” e outros que “estão por cima”, “no auge”. Em inglês, nata se traduz cream, mas em seu processo de desnatação chamamos de Skimming, que  focamos aqui no contexto de Marketing.

O período de Skimming começa tempos após o surgimento de um novo produto ou serviço que, por sua vez, se mantém momentaneamente em destaque, com preços habitualmente elevados. A norte-americana Apple é um bom exemplo: ela começa com produtos no topo, tempos depois o mesmo entra em declínio e consequentemente tem queda nos preços, sendo suplantado por linhas de última geração. O estágio de Skimming finda na obsolescência absoluta, também com os preços reprimidos pelo o aumento da oferta. Voltando à nata, reencontramos o processo em continuidade com produtos inovados em plena efervescência e, momentaneamente, gerando confortáveis margens de lucro.

Indústria 4.0: No próximo ano lembraremos o pontapé inicial da industrialização global, considerada a partir do surgimento de uma máquina a vapor de última geração, pelas mãos do inglês James Watt, que em 1777 era a nata da tecnologia. Este período é convencionado como a era da Indústria 1.0, que foi sucedida em 1913 pela versão 2.0 a partir das metodologias de alta produtividade implantadas na Ford, nos EUA. Desde os anos 1970 vivemos a era da Indústria 3.0, capitaneada pela computação dentro e fora do chão de fábrica, mas que está prestes a ser sucedida pela versão 4.0, na qual a instrumentação industrial – sistemas de sensoriamento local de contagem, pressão e temperatura – emitirá dados para processadores inteligentes, que terão elevado grau de independência, na nuvem e cada vez com menos fios. 

Wire: Por sua vez, a Indústria 4.0 foi a nata entre os temas dos participantes da feira de negócios Wire Düsseldorf, na Alemanha, ponto de encontro da nata da fixação global, onde são apresentadas fusões entre Cias e o que há de mais novo na produção industrial a partir do uso de arames como matéria prima. A Indústria 4.0 evoluirá até seus limites, entrando em Skimming até ser suplantada por outra, até o dia em que as máquinas farão autonomamente quase tudo, talvez excluindo até quem redigiu este texto.

Boa leitura! 
Sérgio Milatias 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com