Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 53
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
16/10/2015 12h45

Persona

 

No mesmo bairro, na mesma rua

 

Quando a economia nacional era mais fechada, até 1990, a concorrência se dava no Brasil entre empresas com as mesmas regras tributárias, trabalhistas, custo de matéria-prima etc. Isso ocorria até entre vizinhas do mesmo bairro, da mesma rua. No atual cenário, o bairro e a rua do concorrente, especificamente a Ásia, situa-se há mais de 18 mil km daqui, mas com regras bem mais flexíveis e liberais que as nossas. Somado ao “real nas nuvens” dos últimos anos, nossos concorrentes distantes nos aplicaram goleadas, embora a culpa de amarrar uma chuteira na outra seja toda nossa.

Apesar de não ser o câmbio o único fator de desequilíbrio da produção, ele tem sido o fiel da balança, especialmente a favor dos chamados Tigres Asiáticos: Coreia do Sul, Singapura, Taiwan e Hong Kong, este já anexado à China continental, que por sua vez é o verdadeiro Tigrão.

De uns dez anos para cá muitos de nós, neste caso fabricantes nacionais de fixadores, nos queixávamos, com razão, das importações que nos massacravam. Ao mesmo tempo viajávamos como nunca ao exterior, nos tornando sacoleiros globais, comprávamos automóveis importados e muitos outros produtos de fora, até então extremamente baratos. Mas, ao final de uma reta há sempre uma curva que pode determinar um novo caminho, ou até no total retorno de 180°. Com o real desvalorizado este caminho já está se invertendo, apesar da curva estar bem esburacada.

A despeito da queda em 2015 nas compras de máquinas e ferramentas para conformação de parafusos e outros, os fabricantes dessas linhas, praticamente todos do exterior, terão uma grande oportunidade. Os primeiros efeitos da procura por parafusos nacionais já se manifestam neste final de 2015, e em 2016 o novo ciclo terá maior impacto. Um exemplo disso já ocorre com o Chipboard, um parafuso especifico para madeiras e aglomerados, bem difundido aqui. No início deste ano, essa linha ainda estava muito atraente para importação, custando até 40% mais barato do que no Brasil. Hoje, com a elevação do dólar somado ao aumento da mão de obra asiática, o Chipboard produzido no Brasil já se encontra entre 10 e 15% mais em conta, fato jamais visto nos últimos anos. Neste novo cenário, nenhum fabricante sensato irá buscar fornecedores lá tendo opções realmente competitivas aqui, no mesmo bairro, na mesma rua.

 

Ricardo Castelhano
Advogado, diretor da Jomarca Industrial de Parafusos Ltda.
ricardo@jomarca.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com