Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 53
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
16/10/2015 12h46

 Editorial

 

  Coca-Cola e as Guerras  

 

Guerras podem ser definidas como conflitos geradores de confrontos bélicos entre grupos, causando conjunturas difíceis, perigosas e de escassez de coisas essenciais, algo presente também em crises econômicas. Diferenças se encontram no fato de que a guerra é uma “luta contra os outros”, mas é criadora de uma outra guerra, desta vez interna, levando agentes a reavaliações sobre eficiência no uso dos recursos que mantenham a sobrevivência. Em ambos os casos - nas crises econômicas e nas guerras - apesar das imensas perdas, os sobreviventes, mesmo os perdedores, podem sair fortalecidos e até descobrirem fontes de oportunidades.

Em matéria publicada em 2005 na revista Exame, antes da Segunda Guerra Mundial a Coca-Cola já era uma grande marca, vendida e diversos países. Em meio ao conflito, a companhia abriu 64 mini fábricas onde haviam bases militares norte-americanas. Ao final, enquanto os soldados dos EUA voltavam para casa, a fabricante de bebidas ficava, mantendo e ampliando suas plantas industriais. Nos 13 anos pós-guerra ela duplicou o que havia vendido nos 58 anos anteriores de sua história.  

O lado b (b de bom)  

Mediante a obsessão escatológica do noticiário econômico em apressar o fim do mundo, o outro lado da notícia, a boa notícia, em geral, passa despercebida. Nesta edição, no Ásia News, nosso colega Gang Hao Chang relata que a demanda global por fixadores deverá passar de US$ 100 bilhões nos próximos cinco anos. Por aqui, devido a alta do dólar, alguns fixadores nacionais já ganham competitividade quando comparado aos importados, relato de Ricardo Castelhano, no Persona.

Boa leitura!
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com