Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 43
Busca::..
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
21/01/2014 02h17

 Persona



Baixa competitividade: a raiz do problema

 


Carlos Rodolfo Schneider, empresário em Joinville (SC) e coordenadordo Movimento Brasil Eficiente (MBE)

 

É temerário estimular o crescimento pelo afrouxamento dos instrumentos de estabilização (metas de inflação, câmbio flutuante e preservação do superávit primário) como se tem ouvido falar com crescente frequência aqui no Brasil. Isso põe em risco o grande esforço feito pelo país, em um passado não tão distante, para recuperar a estabilidade monetária, além de desviar o foco das verdadeiras causas do baixo crescimento que são eminentemente estruturais.

Estudo feito pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial mostrou que a queda dos investimentos no Brasil não é consequência apenas da crise econômica mundial– o país está ficando muito caro para investir. O custo aqui é mais elevado do que na maioria dos emergentes e até em países desenvolvidos como Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido, problema que se agravou especialmente a partir de 2003.

Sem investimentos adequados, não teremos suficiente geração de riquezas para alavancar o crescimento, nem infraestrutura para escoá-las. Estudo feito pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo concluiu que o Brasil precisaria aumentar em três vezes os índices de desempenho da infraestrutura de transportes para não ficar em desvantagem na competição internacional. Falta volume de investimentos, mas faltam também projetos bem feitos, gestão adequada, seriedade e planejamento de qualidade.

A dívida pública bruta brasileira de 69% do PIB, superior a de países como México (44%), Colômbia (33%), Peru (20%) e Chile (11%), é mais um motivo para que não consigamos investir e crescer no ritmo desses vizinhos.

Olhando a questão pelo lado positivo, de transformar problemas em oportunidades, temos sem dúvida um potencial inestimável de alavancar a nossa expansão econômica, ancorado por significativas riquezas naturais e por um bônus demográfico que não deveria ser desperdiçado. Basta vontade política e senso de urgência, que talvez tenham que ser estimulados pela sociedade, a partir de um movimento estruturado e coeso das principais entidades da sociedade civil organizada. O Movimento Brasil Eficiente, que abraça campanha nacional pela simplificação da caótica estrutura tributária do país, vem trabalhando nessa direção e está aberto à soma de esforços.

Carlos Rodolfo Schneider

crs@brasileficiente.org.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com