Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 40
Busca::..
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
13/08/2013 02h44

Artigos

 
Coisas que todo vendedor deve saber sobre o dinheiro na forma original
 
 
 
Para o autor, dinheiro não deve fazer parte da transação, e sim do real valor que está contido no produto, bem e serviço
 
 
 
Há dez mil anos antes de Cristo, para atender o abastecimento da população, surgiram os mercadores os quais trocavam mercadorias de todos os tipos. Com o passar do tempo o processo do escambo tornou-se nervoso. Os entendimentos sobre valores de trocas se conflitavam e se perdiam. Até que os líderes governistas entenderam que os sistemas da troca não atendiam mais as necessidades da população. Fez-se mister um denominador comum de troca para os valores. Chegaram-se às cunhas de metais nobres da época, por sua escassez na natureza eram muito apreciados. Segundo alguns historiadores, foram os fenícios que tiveram a ideia de fundir os metais em formas de lascas de peso e tamanhos iguais. É o que podemos considerar de ancestral do dinheiro de hoje. Isso não significou que a população passou a conceber o valor do apego monetário, ela continuou prevalecendo o valor do espírito do amor e da fraternidade. Dinheiro passou a ser um simples produto de troca, logo então a consideração está no interesse, na importância e na necessidade daquilo que se precisa ou deseja, não importa o que. Dinheiro não deve fazer parte da negociação e sim, da troca. Você tem o que ele precisa e ele tem o dinheiro que você quer...
 
Negociação versus Dinheiro: se a questão do valor da compra for a questão do dinheiro que se pagará, então o vendedor não está fazendo uma negociação, ele está fazendo uma “dinheiração”. É só o dinheiro que tem importância? E o restante, como benefícios, vantagens, qualidade, necessidades, vida útil, amortização etc., não está sendo levado em consideração? E a questão do valor: conforto, segurança, confiança? Esses são decisórios no ato da compra e valem até mais que o produto em si. Isso está sendo considerado? Não?! Então o que está ocorrendo? A resposta é não está ocorrendo nada. Em outras palavras, conversas sem respostas de valores são apenas perda de tempo!
 
Certo vendedor teve a sorte de aprender, logo no início da sua carreira com o ex-patrão, o real significado do dinheiro nas negociações de vendas. Na época, por falta de habilidade e esperteza, sempre indagava “por que uma determinada ferramenta custava o triplo do preço da outra se as medidas entre elas eram de apenas alguns milésimos de diferença”? A resposta do diretor foi: “custa mais por que custa mais”.
 
Num certo dia o diretor pediu para o vendedor ir até sua sala, onde indagou:
- O senhor anda questionando os preços que praticamos, por quê?
- Porque conheço a mecânica e sei como elas são fabricadas e não vejo outro motivo para a diferença do preço ser tão desigual, respondeu o vendedor.
Então, o diretor pegou uma caixinha sobre sua mesa e perguntou:
- Quanto o senhor acha que vale essa caixinha?
Acho que uns 80 centavos, disse o vendedor.
O diretor retrucou:
 - Não perguntei o preço e sim o valor.
O vendedor ficou um tanto embaraçado e não soube o que responder. Em seguida o patrão perguntou:
- Você me pagaria mil reais por ela?
- Lógico que não, respondeu o vendedor.
O diretor abriu a caixinha onde estava uma linda pedra verde, toda lapidada na forma oitavada do tamanho de uma uva italiana. Era uma esmeralda legítima, e o patrão perguntou:
- E agora quanto vale essa caixinha? Antes do vendedor responder o patrão disse:
- Bem, só valorizamos as coisas quando compreendemos quanto elas valem. Continuou:
- A princípio, sem você saber do conteúdo, está caixinha te pareceu de pouco valor. Agora o senhor pagaria um preço mais justo, certo? Esse é o nosso negócio, fazer dinheiro com clientes que precisam de ferramentas e não encontram em lojas, e nós às fabricamos. Sem essas ferramentas nossos clientes não têm como fabricar seus automóveis, aeronaves, tratores, máquinas operatrizes, navios, motocicletas, peças para computadores e tantos outros. Nossos clientes, não compram simplesmente nossas ferramentas, eles investem nelas para ganharem bilhões na venda dos seus produtos e bens. Nós só os ajudamos a ganhar. Completando: - Da mesma forma que uma pessoa compra uma geladeira para conservar os alimentos, sem precisar ir ao mercado diariamente para se abastecer ou para ter o prazer de tomar uma cerveja bem geladinha, sem sair de casa.
 
O vendedor agradeceu a lição, saiu da sala refletindo sobre o assunto. Ele mudou seus conceitos sobre o valor das ferramentas e do paradigma sobre fazer dinheiro. Passou a vender muito mais e o relacionamento com os seus clientes melhorou sensivelmente, pois ele soube ser mais específico nos argumentos técnicos e no valor do retorno do investimento. Passou a ter mais conversas com os clientes sobre negócios de interesses, e não no sentido do dinheiro que ele tem que pagar. Aprendeu que enquanto não soubermos apresentar o real valor do produto para os clientes, eles só irão saber falar do preço.
 
G. Huber é diretor da Huberconsultoria em Vendas e Marketing
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com