Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 62
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Ásia news
18/03/2017 10h31

Ásia news

KPF ansiosa pelo fim do déficit de subsidiárias no exterior  

Fabricante sul-coreana de fixadores para a indústria de construção, máquinas pesadas e autopeças, em 2012, a Korea Parts & Fasteners (KPF) abriu várias subsidiárias no exterior com o objetivo de expandir os negócios. Porém, os investimentos nas subsidiárias da Espanha e Indonésia aumentaram em relação aos ativos da dívida, levando-a finalizar 2014 com déficit.

Para estabilizar a situação, a KPF começou a liquidar dívidas dessas duas subsidiárias, decidindo focar negócios na Coréia do Sul, China e no Vietnã. Cinco anos depois, até agora, as filiais no exterior estão vendo uma chance de se livrar do déficit. A subsidiária do Vietnã, em particular, colheu um lucro operacional de mais de US$ 96 mil no primeiro semestre de 2016, um aumento significativo de um déficit de cerca de US$ 43 mil do período anterior. As receitas do primeiro semestre de 2016 atingiram quase US$ 981 mil, um aumento de 18% em relação aos US$ 832 mil do período anterior.

Especializada em itens para o setor automotivo, a unidade da China está reduzindo o déficit, numa margem de diminuição de mais de 60% e espera sair do déficit no próximo ano. Se continuar assim, provavelmente o déficit chegará ao fim em cinco anos.  

Takenaka Seisakusho instala planta industrial nos Emirados Árabes Unidos

 

Fabricante de fixadores altamente resistentes à corrosão, a japonesa Takenaka Seisakusho Co., Ltd. anunciou em 17 de novembro de 2016 a finalização de uma nova fábrica nos Emirados Árabes Unidos (EAU). Trata-se de um investimento que consumiu mais de US$ 2,6 milhões, especificamente para produção de parafusos e porcas com acabamento em Teflon.

Espera-se que as receitas alcancem US$ 8,8 milhões em 5 anos. A Cia investiu mais de US$ 1 milhão na montagem da planta de Ras al-Khaimah (país membro dos EAU). Empresas locais de investimentos financiaram 51%, Takenaka 46%. Os 3% restantes ficaram a cargo da GSI Creos, empresa nipônica fornecedora de tratamento de superfície da Takenaka.

Esta unidade tem 632 m², dotada de sistema automatizado de produção, e entrará em operação antes do final do primeiro trimestre de 2017.  

 

Japão: a Nitto Seiko anunciou aquisição de 51% da Kyoei  

Ambas fabricantes nipônicas de fixadores industriais, a Nitto Seiko Co. Ltd anunciou a compra de 51% da Kyoei Seisaku Co., Ltd, negócio fechado desde outubro do ano passado. A partir de agora elas trabalharão em conjunto, buscando estabelecer mecanismos que as elevem a um ciclo de expansão, tanto de mercado quanto de produtos. Desde 2015 a Nitto Seiko ativou um plano de negócios de 4 anos, denominado “Nitto Power Up FINAL”, buscando expandir seus mercados, bem como suas linhas de fixadores. Por outro lado, a Kyoei passa por um processo de ingresso em mercados de fixadores de alto valor agregado.  

 

Insumos impulsionam fortemente para cima o preço internacional do aço

Aumento na siderúrgica taiwanesa China Steel Corporation foi de 12.6% no Q1 de 2017  

Após os preços no mercado interno de Taiwan obterem recuperação em dezembro último, a China Steel Corporation (CSC) emitiu comunicado elevando seus preços já no primeiro trimestre (Q1) de 2017.

De acordo com a CSC, ela está enfrentando a pressão do aumento entre o preço no mercado interno e externo. Considerando a competência da indústria siderúrgica doméstica a jusante, a CSC decidiu elevar os preços para sete principais produtos,entre eles o aço laminado a quente, com elevação de US$ 73.96 por tonelada (t); o fio máquina em US$ 77.90 t e o aço laminado a frio, US$ 81.00 t. Do aspecto material, a oferta global de carvão está piorando. Desde julho de 2016, o preço FOB da tonelada do carvão de coque subiu de US$ 100 para US$ 305, com expectativa de passar de US$ 280 já no Q2. O preço do minério de ferro subiu de US$ 50 para US$ 75. Desta forma, o custo da produção de aço do primeiro trimestre de 2017 aumentou drasticamente de US$ 150 para US$ 200, impactado pelas variações vindas do Q3 de 2016. Devido a esta onda de aumentos de insumos, os grandes fabricantes globais de aço têm anunciado um aumento após o outro. Desde o Q3 de 2016 as siderúrgicas norte-americanas promoveram três aumentos em chapas de aço.

Desde dezembro, no mercado interno, os três principais fabricantes de aço na China elevaram seus preços, internamente, entre US$ 44 e US$ 65, mas o aumento acumulado está em US$ 122. No Q1 2017 as principais fabricantes japonesas e sul-coreanas elevaram a tonelada do seu aço exportação CFR entre US$ 510 e US$ 530 t, com margem de aumento superior a US$ 100 por tonelada.

Para 2017 o FMI prevê em 2017 um crescimento global do PIB de 3,4%, melhor do que 2016. Estima-se que preço do fio-máquina subirá 10%, elevando em 5% o custo de fixadores.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com