Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 62
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
18/03/2017 10h37

Editorial

 

E la nave va


Comparando com o famoso Titanic, o Brasil é uma nave gigante, mas o desfecho final do seu filme será diferente


Em 1912, durante sua viagem inaugural, o navio britânico Titanic afundou efundou uma nova era nos sistemas de navegações marítimas, tornando este famoso caso uma rica fonte para ações preventivas de segurança, até os dias atuais.

Além de fomentar a literatura e o cinema, a tragédia alavancou o telégrafo, um recente invento do italiano Guglielmo Marconi (1874 - 1937), tão italiano quanto Federico Fellini (1942 - 1993), diretor de um filme que intitula este editorial. Nós mesmos já publicamos matéria conectando o naufrágio à problemas de fixação (veja em www.revistadoparafuso.com, digitando “Titanic” na busca).

Assim como o Titanic, o Brasil colidiu em 2014 com algo muito grande, como um iceberg, mas nossa Comandanta (sic) dizia que não era nada e tudo estava em ordem e progresso. Enquanto isso, nos porões, os mais pobres e desprotegidos abriam a fila dos afogados. Mas “era algo isolado e tudo estava sob controle”. O oba-oba da realização da recente Copa do Mundo tem muita semelhança com a cena dos músicos tocando no convés da grande nave.

Fortemente a água foi subindo no ano seguinte, 2015, afogando pessoas físicas e as jurídicas que viam suas casas de máquinas submergindo. Neste ano ficava límpido o naufrágio parcial do País e, principalmente, do nosso comando que acelerou mais do que devia, como fez sir Edward Smith, o chefão do Titanic. Quem leu reportagens, livros ou assistiu o filme sabe que existe muita semelhança entre atitudes de ambos comandantes.

Desde 2016, parte do grupo que controlava o País submergiu, dando início a um “processo de içamento organizacional e econômico”. Estamos numa corrida contra o tempo, pois muitos ainda estão nos porões. Os indicativos são de que este içamento está gradativamente reduzindo o alagamento, e que “E la nave Brasil, àgora va”.

 
 
 
Boa leitura!
Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com