Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 52
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
06/08/2015 11h15

 Editorial

 

A produtividade nacional não está uma Brastemp

 

O trabalhador brasileiro anda em baixa na comparação de sua produtividade com os colegas de outras nações. Os 100% produzido por cada um de nós equivale a 26% de um norte-americano, 66% do argentino, 82% do russo. Na comparação com China e Índia estamos na frente, com nossos 100%, respectivamente, valendo 422% e 383% deles.

Você, caro leitor, já sabia disso, dada a grande divulgação em maio último. Peço sua compreensão para comentar experiências pessoais, algo inadequado para um editorial.

No posto de combustíveis que abasteço meu carro já testemunhei muitos caminhoneiros pedindo informações de endereços, isso em plena era do GPS (sistema de posicionamento global). De quem será a falha? São os motoristas que não sabem operar o GPS ou a transportadora se recusa a fornecê-los? Qualquer resposta leva à improdutividade, já que um desvio de rota que cause uma hora de atraso pode custar muito mais que um desses aparelhos, que se encontram abaixo de R$ 200,00. Alguns smartphones já podem ser habilitados com GPS.

Outro exemplo vem da famosa marca Brastemp, que por meio do seu portal vendeu-nos um fogão (cooktop) e uma geladeira. Ao abrirmos a caixa do cooktop encontramos a superfície riscada, algo que qualquer controlador de qualidade poderia ter visto e evitado o retrabalho. Acionamos a loja para ela efetuar a troca. Aproveitando a ocasião, pedimos o envio do manual de instruções da geladeira, mas a atendente alegou não ser possível enviar o manual sem “outra geladeira”. Na nova entrega, não retiraram a geladeira e ficamos, momentaneamente, com as duas. A retirada só ocorreu mais de um mês depois. No acumulado, eles fizeram 3 visitas para uma só entrega.

Aqui se culpa o governo, importação de produtos e outros, mas temos que olhar para nossos próprios erros, numa terra onde “nem a Brastemp tem sido uma Brastemp”.

 

 

 

Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com