Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 52
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Balcão
06/08/2015 11h14

Balcão

 

Comercial Offshore Parafusos, Macaé, RJ

  

Quase um mochileiro, empresário aportou na cidade do mar e do ouro negro para abrir uma revenda de parafusos totalmente offshore

 


Após morar em vários lugares pelo Brasil, o curitibano Aguinaldo do Santos Vieira, passeando por Macaé em suas férias de 2003, aceitou aliar-se a sua irmã, Everli Vieira, e o, até então, marido Leonardo que abriam uma revenda de fixadores em Macaé, cidade portuária fluminense e o maior centro de óleo e gás no continente. Foi uma abertura em pleno início do ano de muitas incertezas, já que a presidência da República estava na transição entre FHC e Lula.

Perguntado sobre a “peregrinação pelo país” durantea infância deste nativo do Paraná, seu pai, que trabalhava com madeira, foi migrando, subindo o mapa levando consigo a família, chegando até o Pará. Adultos, os irmãos começaram a descer o mapa até fundar a loja.

Após a saída do ex-cunhado da sociedade, permaneceram a irmã Everli como sócia e gestora financeira (online, já que ela mora na capixaba Vitória) e Aguinaldo como o CEO em Macaé.

A Comercial Offshore começou no endereço atual, mas o espaço de 200 m² e as demais condições estão saturadas. Mesmo com os mezaninos e o remanejo do estoque, além das escassas vagas para estacionar carros. Este espaço é dividido entre 16 colaboradores e mais de 12 mil itens, com forte presença de itens em inox, especialmente da marca Belenus, além de outras como a ASTM, Ciser, CPF e Dapco. Tudo isso ganhará um novo e amplo espaço em 2016, com a mudança da loja para sua sede própria que deverá alcançar 800 m² de área construída mais uma multiplicação do estacionamento, em num terreno total de 1,3 mil m².

“Na soma dos anos, aqui as coisas foram bem, apesar da apreensão dos recentes problemas que todos conhecem. De qualquer forma a Petrobras e toda sua cadeia de suprimentos são a razão da cidade ser o que é hoje. Do contrário, seríamos uma vila de pescadores. Mas, antes dos problemas, o porto daqui já estava saturado, necessitando de ampliação há muito tempo”, comentou Vieira.  

 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com