Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 49
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
20/01/2015 09h28

 Persona

 

Competir pela vitória do país

 

No The World Factbook 2013, relatório anual da Agência Central de Inteligência dos EUA – CIA, o Brasil aparece como um dos países com o maior peso do setor público no total do consumo interno. De 2000 a 2013, aumentou de 19,2% para 22% do PIB, sendo composto basicamente de gastos com o custeio da máquina pública, como folha de pagamentos. Se acrescentarmos as transferências e despesas financeiras, chegamos próximos a 40% do PIB. A Constituição de 1988 sem dúvida colocou fermento neste bolo, limitando a capacidade de investimento do país. Outras nações, que têm conseguido investir às taxas mais robustas, alavancando com isso a economia, mostram um consumo do governo mais moderado: Austrália 17,8%, Colômbia 16,7%, China 13,7%, Índia 12,4%, Chile 12%, México 11,8% e Peru 10,8%. O desafio no Brasil é tornar o Estado mais eficiente para aumentar a produtividade, reduzir a carga tributária e expandir investimentos.  

O economista Paulo Rabello de Castro, fundador e coordenador do Movimento Brasil Eficiente (MBE), alerta para o erro conceitual que representa o foco da política econômica na busca incessante por um robusto superávit fiscal primário (diferença entre o total das despesas não financeiras e o total da arrecadação, destinada a pagar os encargos da dívida pública), que inexoravelmente tem levado à busca de mais arrecadação e à pressão por aumento de carga tributária. Fatores provocados justamente pelo contínuo crescimento do consumo do governo que vem aumentando sempre mais do que a geração de riqueza tributável que o financia. Esse, segundo Paulo Rabello, é o desequilíbrio fundamental, pouco discutido pelo mercado e por economistas, que tem provocado também o aumento da taxa de juros. Se o governo gastar menos, pressionará menos a inflação, além de poder reduzir impostos e ampliar os necessários investimentos públicos.

Acabamos de definir uma eleição presidencial e a candidata eleita deveria colocar esse assunto entre as prioridades. O MBE apresentou as suas propostas ao governo, incluindo também a de simplificação da estrutura tributária. Com elas, o Brasil poderia fazer mais com menos, como a presidente Dilma pregou em seu discurso de posse (em 2010), mas pouco conseguiu evoluir na prática. Em 2014, disputamos a Copa da Fifa sem os resultados esperados. A partir de agora temos que nos engajar na copa pelo Brasil, para restabelecer as condições de competitividade e crescimento do país.

 
Carlos Rodolfo Schneider
Empresário e coordenador do Movimento Brasil Eficiente (MBE)
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com