Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 21
Busca::..
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
30/06/2010 03h16

Como transformar manutenção em fonte de receita, por Milton Grom

"Cada US$ 1,00 economizado em manutenção, significa US$ 1,00 de lucro direto." Milton Grom (Foto à esquerda)

Com base no estudo do caso da empresa “Baltimore Gas and Electric USA”, podemos afirmar que cada US$ 1,00 de economia em manutenção, equivale ao incremento de US$ 6,50 em vendas. Outro dado extremamente importante sobre este assunto é a afirmação feita por uma das maiores empresas fabricantes de rolamentos do mundo, a NSK, que escreveu em um de seus últimos manuais, que a eliminação de todas as partículas maiores ou iguais a espessura do filme de lubrificação, permitirá que os rolamentos que compõe este sistema tenham vida infinita. Com estas duas afirmações iniciamos a discussão sobre manutenção, lubrificação, vida útil e disponibilidade de máquina. A primeira afirmação coloca em cheque o maior paradigma sobre a manutenção, isto é, o conceito de que a manutenção é um mal necessário, um custo inevitável etc. Mas se agregarmos a esta afirmação, o conceito que o “profissional de manutenção não é aquele que apenas conserta, mas aquele que elimina a necessidade de consertar”, estaremos entrando num campo totalmente novo, o campo da “Manutenção Pró-Ativa”. Para falarmos sobre manutenção e sua evolução, precisamos conhecer, ou pré estabelecer alguns conceitos. Então, dividimos a manutenção em quatro tipos principais, que são:
1. Manutenção corretiva: é aquela que espera pela falha do equipamento, para posteriormente intervir, fazendo as substituições de peças ou conjuntos, e os ajustes necessários. Podemos afirmar que este tipo de manutenção é baseada na “substituição de peças”. Tenho que admitir que apesar desta modalidade não ser a melhor opção, existem situações onde deixar o equipamento quebrar e posteriormente consertar, é mais barato que implantar qualquer sistema de gerenciamento ou monitoramento.
2. Manutenção preventiva: tem como base os dados históricos da máquina, isto é, histórico de quebra dos seus principais elementos, ou máquinas da cadeia produtiva de uma empresa. Essas informações são a base para confecção de um plano estratégico, cujo principal objetivo é permitir a substituição da peça, antes que o equipamento falhe, isto é, fazer intervenções no momento mais propício, antes da data apontada pelos estudos como limite histórico para a falha. A vantagem desta modalidade em relação à corretiva é que, a intervenção no equipamento ocorrerá de maneira planejada, sem surpresa, com o menor comprometimento possível da produção ou da segurança. Este tipo de manutenção minimiza os riscos e as perdas de produção, mas eleva significativamente os custos de operação do equipamento, pois a peça, poderá ser substituída sem necessidade. Apesar de mais evoluído que o sistema corretivo, a base ainda é a “substituição de peças”.
 
3. Manutenção preditiva: baseia-se na condição de máquina, isto é, em inspeções instrumentadas, medições e elaboração de gráficos para acompanhamento e visualização de tendências, permitindo a escolha da melhor data para substituição das peças comprometidas. Apesar de extremamente avançada, e de se utilizar equipamentos de última geração, é muito importante entendermos que acompanhar uma variável, como por exemplo, “vibração”, precisamos que a máquina vibre para registrarmos uma variação. Mas para que ela vibre, é necessário que haja desbalanceamento, desalinhamento ou até desgaste, isto é, o processo de degradação do equipamento terá iniciado. A principal vantagem desta modalidade é permitir a troca de peças por “condição”, isto é, permitir que a peça seja utilizada até o final de sua vida útil, ou seja, poucos momentos antes de ocorrer a falha catastrófica; mas ainda sim continua sendo “substituição de peças”, pois normalmente ela se restringe a monitorar a degradação da peça ou equipamento, e estimar quando ocorrerá a falha.
 
 
4. Manutenção pró-ativa: é a busca das “causas”, dos problemas que geram a degradação do equipamento, isto é, a busca do motivo pelo qual a máquina está vibrando, aquecendo, vazando, desgastando e, consequentemente quebrando.
Os maiores responsáveis pela obsolescência de um equipamento são os contaminantes sólidos e líquidos, lubrificante incorreto, alta temperatura, ar, desalinhamento e desbalanceamento. Se agirmos sobre as causas, eliminaremos as raízes dos problemas, as peças não se desgastarão e não haverá a necessidade de troca de peças. É muito importante procurar entender a plenitude do conceito “Manutenção Pró-ativa”, que apesar de extremamente simples e acessível, muda o paradigma da manutenção, isto é, transforma o departamento de manutenção em gerador de receita. No primeiro parágrafo deste artigo falamos que cada US$ 1,00 economizado em manutenção, equivale a US$ 6,50 em incremento de vendas, pois cada US$ 1,00 economizado em manutenção, significa US$ 1,00 de lucro direto; mas cada US$ 1,00 de faturamento, normalmente significará US$ 0,15 de lucro, pois precisamos abater do faturamento todas as despesas e custos que a empresa teve para colocar o produto no mercado e vendê-lo, para depois de todos os impostos e taxas recolhidos, apurar o lucro.
Apesar de este assunto ser precedido por um grande números de paradigmas e mitos, exemplificaremos este conceito de maneira micro, usando apenas os primeiros parágrafos deste artigo como base. A SKF, empresa fabricante de rolamentos, afirma que se eliminarmos as partículas sólidas maiores ou iguais a espessura do filme de lubrificação, o rolamento terá vida infinita. Logo, estaremos eliminando a necessidade de “troca de peças”, e consequentemente a “vida infinita” para as máquinas deixarem de ser utopia.
As partículas sólidas que são encontradas em um equipamento possuem apenas duas fontes: internas e externas. As partículas geradas internamente têm origem no próprio desgaste do equipamento e degradação do lubrificante, isto é, quase a totalidade é gerada pelo atrito entre as peças móveis. Não podemos eliminar o atrito, mas conseguimos minimizá-lo através da utilização de lubrificantes de última geração, fazendo com que as partículas geradas por este fenômeno sejam infinitamente menores, não comprometendo desta forma a condição estipulada pela SKF, porém, as pequenas partículas tendem a se agrupar formando grandes partículas, e assim comprometerão nosso objetivo de atingir a vida infinita. Para manutenção pró-ativa, este problema é previsível e contornável, ele pode ser tratado através da lubrificação e da filtragem. Alguns lubrificantes possuem aditivação que agem de maneira eficiente sobre este problema, (minimizar a velocidade de junção destas partículas) mas não conseguem eliminar totalmente este fenômeno.
Então, fatalmente as partículas sólidas se juntarão e poderão atingir dimensões maiores que a espessura do filme lubrificante. Neste caso, precisaremos lançar mão de outro recurso para contornar mais este problema. A solução completa passa pelo redimensionamento do sistema de filtragem, isto é, reavaliar a eficiência e capacidade de retenção dos elementos filtrantes do sistema, e caso não seja possível fazer as alterações necessárias, temos a opção de realizar a “Filtragem Off -Line”. Este tipo de filtragem é feito acoplando-se um equipamento móvel à nossa máquina. Ele funciona basicamente como o processo de diálise em uma pessoa com problemas renais, isto é, o lubrificante é bombeado para fora da nossa máquina, passa pelos elementos filtrantes do equipamento de filtragem off -line, e retorna ao nosso sistema nas condições ideais, logo, sem partículas sólidas maiores ou iguais à espessura do filme de lubrificação.
Tudo bem! Resolvemos o problema das partículas geradas internamente, mas você perguntará como ficam as partículas geradas externamente? A maior parte delas adentra o sistema através dos retentores ou vedações, respiros e sistema de abastecimento. Neste caso, o foco do nosso trabalho será melhorar os retentores e vedações, instalar respiros com grau de filtragem adequado para folgas existentes em nossos sistemas, e treinar a mão de obra para que reduza significativamente a entrada de contaminantes durante o abastecimento ou reabastecimento do sistema.
Estas ações minimizariam significativamente a entrada de partículas externas, mas não eliminariam totalmente a entrada delas, sendo assim, lançaremos mão do mesmo recurso sugerido para eliminar as partículas geradas internamente, o que significa melhorar o sistema de filtragem do equipamento ou trabalhar com filtragem off -line. Este artigo é uma apenas uma síntese do conceito de manutenção pró-ativa, ele não tem a pretensão de resolver problemas ou encontrar oportunidades de ganho através de fórmulas mágicas e infalíveis, mas busca despertar o interesse para um assunto extremamente importante, mas que normalmente é deixado em segundo plano. A manutenção pró-ativa é o caminho mais curto e eficiente para aumentar o lucro, a produtividade e a confiabilidade de uma máquina ou processo produtivo. Estes conceitos foram aplicados com absoluto sucesso nas quatro maiores empresas do Brasil, permitindo que elas reduzissem seus custos de manutenção em mais de 30%.
Milton Grom
Especialista em lubrificantes e aplicações, possui certificação internacional como técnico de lubrificação, pela International Council for Machinery Lubrification dos Estados Unidos. Foi o responsável por absorver e aplicar, com absoluto sucesso, as mais recentes e inovadoras tecnologias desenvolvidas na área de lubrificantes, lubrificação e filtragem dentro das maiores empresas do Brasil nos últimos seis anos. É diretor técnico da Nesher do Brasil, empresa especializada neste campo.
milton@nesherdobrasil.com.br
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com